O Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou documentos, no final do ano passado, revelando o esquema de suborno internacional da Odebrecht. A empreiteira brasileira pagou, pelo menos, 788 milhões de dólares a 12 países da América Latina e da África. Pelo menos cinco países latino-americanos já abriram as suas próprias investigações sobre o escândalo da #Odebrecht. A empreiteira assinou, até agora, acordos internacionais com os Estados Unidos e a Suíça.

Dos países que iniciaram suas próprias investigações, a República Dominicana recebeu o maior número de subornos, estimados em 92 milhões de dólares. A Odebrecht distribuiu também subornos na ilha do Caribe entre 2001 e 2014.

Publicidade
Publicidade

A Procuradoria-Geral da República Dominicana já solicitou documentos sobre os contratos feitos com a Odebrecht nesse período, que serão analisados por uma equipe especializada.

O Ministério Público do Panamá também anunciou que colaborará com autoridades brasileiras e americanas na investigação do recebimento de cerca de 59 milhões de dólares em subornos.

A Odebrecht realizou os subornos entre os anos 2010 e 2014, durante o mandato do ex-presidente Ricardo Martinelli. O atual presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, proibiu a Odebrecht de assinar novos contratos no país. Antes da investigação, o governo de Varela já havia assinado pelo menos 2,5 bilhões de dólares em contratos com a empreiteira brasileira.

Outros países estão também sendo investigados pelo recebimento de propinas, incluindo o Equador (33,5 milhões de dólares), Peru (29 milhões de dólares) e Argentina (35 milhões de dólares).

Publicidade

Até o momento, os governos dos países citados acima não nomearam os destinatários exatos dos subornos da Odebrecht, embora ainda haja tensão política sobre os ex-chefes de Estado em questão. Esses comitês de investigação latino-americanos vão colaborar com a Operação Lava Jato e com as autoridades americanas.

Moçambique, que recebeu 900 mil dólares em subornos sob o mandato do ex-presidente Armando Guebuza, ainda não fez qualquer declaração pública sobre o assunto. #Lava Jato #Corrupção