Uma verdadeira polêmica na última terça-feira (10) marcou o início da administração do prefeito de São Paulo, #João Dória. O prefeito foi eleito por uma grande diferença de votos em relação ao segundo colocado, o petista Fernando Haddad. Dória já no início de gestão, implementou projetos de campanha, como por exemplo, o programa que tem como pretensão realizar um "mutirão" pela saúde na cidade de São Paulo. O objetivo da nova administração pública da cidade, é poder diminuir drasticamente ou mesmo acabar com toda a fila de espera para consultas e exames. A proposta consiste em que o sistema de saúde da capital paulista possa atender aos pacientes principalmente durante o período noturno.

Publicidade
Publicidade

Embora, Dória esteja vivenciando um momento de grande popularidade, o mesmo se deparou com os ânimos acirrados e críticas em rede social. Uma servidora que foi nomeada recentemente como coordenadora de Cultura, através de um cargo de confiança, escreveu no facebook, críticas contra Dória e contra o governador do estado, Geraldo Alckmin. O tom das críticas foi considerado extremamente grave.

Desligamento de servidora

A produtora cultural Ana Paula Galvão estava lotada como coordenadora do Teatro Paulo Eiró, localizado no bairro de Santo Amaro, na região Sul de São Paulo. Logo após a eleição do prefeito paulistano, a servidora desferiu críticas em rede social, se referindo à Dória como "Jony Dólar". Ana Paula também chamou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que é padrinho de Dória, de "mafioso".

Publicidade

Ela chegou a publicar na rede social do facebook, que teria que haver impugnação da eleição de Dória, como se fosse ação de "crime" por parte de Alckmin. A reação do prefeito João Dória foi enfática ao se considerar que as críticas foram totalmente inadequadas partindo de um funcionário público em cargo de confiança, conforme decisão do prefeito, em relação à demissão da servidora. A #prefeitura de São Paulo considerou ainda as postagens totalmente ofensivas às autoridades públicas , já que a servidora demitida, se referiu ao governador paulista como "chefe de máfia". Os gestos da funcionária pública foram determinantes para a sua demissão.

#Governo