Os deputados federais querem abrir uma analise sobre o assunto: isenções fiscais nas igrejas. Todos sabem que a crise econômica afetou grandes empresas e indústrias no Brasil, e se as contas continuarem do mesmo jeito, a crise também afetará as instituições religiosas. Atualmente, o governo criou um projeto para resolver o prejuízo nas contas publicas, e os #deputados querem incluir a proposta de acabar com a isenção fiscal para instituições religiosas.

A proposta gerou uma grande polêmica entre os lideres religiosos, bancada religiosa e população brasileira. O intuito do governo é abrir uma questão: se realmente é necessário isenções fiscais para produtores rurais, instituições filantrópicas, pequenas empresas e instituições religiosas.

Publicidade
Publicidade

Mas os deputados também querem incluir na lista de medidas para resolver o problema do rombo nas contas públicas o aumento das arrecadações fiscais para times de futebol e faculdades. De acordo com uma pesquisa recente, o governo deixou de arrecadar mais de 65 bilhões de reais com as isenções fiscais. O objetivo da proposta dos deputados é usar esse valor para resolver o grande problema do rombo na previdência.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) deu uma entrevista ao site da Folha de São Paulo e afirmou que o caso da previdência está muito crítico e medidas terão que se tomadas urgentemente, pois se continuar assim daqui a aproximadamente sete anos a nossa previdência estará completamente falida.

Mesmo acabando com as isenções fiscais para algumas instituições, o governo não conseguirá resolver o problema do rombo na previdência e será necessário aumentar outras arrecadações fiscais e outras medidas.

Publicidade

O assunto vem gerando discussões entre parlamentares e a população brasileira; muitas pessoas e uma parte dos deputados não concordam com essas medidas. A proposta ainda está em discussão, mas do jeito que a crise vem afetando o Brasil, acreditam que a proposta pode ser tornar lei o quanto antes, e que esse ano de 2017 será de fortes discussões no Planalto. #Igreja #Religião