O conturbado cenário político brasileiro enfrenta novas denúncias. Dessa vez, com a entrada do Department of Justice (Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América), no caso dos rombos bilionários que apontaram desvios dos cofres públicos da maior estatal brasileira; a Petrobras, as investigações podem se aprofundar vertiginosamente e alcançar novos patamares na elucidação de um dos maiores, senão, o maior escândalo de #Corrupção do Brasil, o "Petrolão". O caso emblemático que pode "sacudir" as investigações no Brasil, trata-se de revelações de Maria Christina Medes Caldeira. Ela é ex-esposa do ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no processo do Mensalão do PT. O esquema do Mensalão tratava da compra de votos de deputados para que votassem de acordo com o governo, que no período em que o escândalo "estourou", o País tinha na Presidência da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Maria Christina vive nos Estados Unidos ,desde o dia 05 de janeiro. Ela afirmou que entregará em posse do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, documentos que revelam um dossiê que atinge em cheio o ex-presidente Lula. Ainda segundo Maria Christina, a documentação também atingirá seu ex-marido Valdemar Costa Neto e ainda o ex- presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Proteção do Estados Unidos

Maria Christina decidiu se mudar para os Estados Unidos, já que de acordo com sua advogada Maristela Basso, a ex-esposa do ex-deputado Costa Neto, estaria sofrendo com ameaças no Brasil, além de sofrer de síndrome de pânico. Ainda de acordo com a advogada, Maria Christina teria apresentado ao Ministério Público Federal no Brasil, provas das denúncias feitas, mas não teria tido a garantia de proteção à sua vida, razão pela qual, a mesma decidiu recorrer à Justiça americana, que atualmente, protege a brasileira. As documentações a serem entregues ao Departamento de Justiça americano, descrevem operações financeiras offshores. As contas são atribuídas ao ex-deputado Costa Neto e a seus aliados políticos e estão sediadas em paraísos fiscais. Segundo a denunciante, documentos trariam revelações sobre dois cofres que foram alugados em instituições financeiras de Portugal e Uruguai. Segundo os documentos que compõem o dossiê que atinge, além de Costa Neto, o ex-presidente Lula e o ex-deputado Eduardo Cunha, os cofres descobertos em bancos de Portugal e Uruguai, seria destinados para que políticos brasileiros guardassem diamantes de operações realizadas no continente africano. O dossiê teria sido alvo de investigação por uma empresa norte-americana especializada em rastreamento de atos de corrupção e de lavagem de dinheiro. Como medida de segurança, cópias do dossiê foram espalhadas por cofres de cinco países.

#Lava Jato