O pré-candidato à presidência da #Câmara dos Deputados pelo PTB, o deputado federal Jovair Arantes (GO), partiu para o confronto com seu principal adversário na disputa pela presidência, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Jovair afirmou que a candidatura de Rodrigo Maia é ilegítima e que, caso haja realmente a confirmação de sua intenção de se reeleger à presidência da Casa, ele irá acionar a #Justiça.

Para ele, Maia deveria dar exemplo e cumprir corretamente o que diz a Constituição Federal e as leis que regem a democracia brasileira, já que não é permitido a reeleição de um presidente da Câmara dentro da mesma legislatura.

“Não vai ficar bem para a sociedade de ele ganhar, um presidente que está sob judice.

Publicidade
Publicidade

A candidatura dele (Rodrigo Maia) não é legítima, porque ele expõe, de forma muito severa, a Casa, na medida em que a Constituição está sendo rasgada”, disse.

Em entrevista ao jornal “O Globo”, Jovair Arantes disse que não possui a intenção de se eleger somente para negociar cargos ministeriais com o presidente da República Michel Temer, mas que terá como prioridade, caso seja eleito, priorizar as reformas enviadas pelo governo.

Resposta de Rodrigo Maia

Em resposta a intimidação de Jovair Arantes na imprensa, o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que seus adversários devem ter coerência na disputa pela Câmara, e que a eleição deve ser pautada através da livre escolha dos parlamentares (de votação) e não através do Supremo Tribunal Federal e de ações judiciais.

Segundo ele, a vedação para disputar novamente a presidência não se aplica ao seu caso, já que ele foi eleito “para um mandato tampão” de seis meses, logo após a cassação do mandato do ex-presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Publicidade

Por enquanto, a maior corte do país ainda não se posicionou em relação a questão, mas adversários de Maia no Congresso já ingressaram com duas ações para que ele fique inelegível na votação que elegerá o presidente da Câmara dos Deputados, prevista para ocorrer no próximo dia 2 de fevereiro. #STF