A #Justiça do Mato Grosso bloqueou R$ 387.941,32 de R$ 403 mil encontrados nas contas do #Ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Segundo o G1, ação aconteceu após um juiz de Cuiabá emitir uma determinação congelando R$ 4 milhões das contas do ministro e de mais oito pessoas envolvidas numa suspeita de compra de ‘vaga’ no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) com dinheiro desviado dos cofres públicos.

De acordo com o juiz da Vara Especializa de Ação Civil Pública e Popular de Cuiabá, Luís Aparecido Bortolussi, a determinação aconteceu na última segunda-feira (9). Ainda segundo o jurista, a decisão foi cumprida parcialmente devido a falta de dividendos nas contas dos acusados de improbidade administrativa e danos ao erário público.

Publicidade
Publicidade

Conforme a justiça, o valor mais alto foi encontra em uma das contas do ministro do Governo de Michel #Temer.

Segundo o G1, a justiça liberou R$ 15.157,58 – valor equivalente ao salário de um governador de estado, e que seria suficiente para uma pessoa se manter por um período.

Em nota divulga nesta terça-feira (10) pela assessoria do ministro, ele se disse surpreso com a determinação, pois o caso tinha sido arquivado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), após pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo a assessoria, o ministro irá recorrer da decisão na justiça.

Réus da Justiça

Um dos réus afetados foi o ex-presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso, José Riva (PSD), conhecido nacionalmente como o ‘maior ficha-suja do Brasil’. Segundo a Folha de São Paulo, o político responde a mais de cem processos na Justiça, e já chegou a ficar quatro meses encarcerados após determinação judicial.

Publicidade

Acusação contra Ministro de Temer

O ministro Blairo Maggi (PP) é acusado de participar de um esquema que comprou uma vaga de conselheiro no TCE-MT. O ex-conselheiro Alencar Soares Filho é suspeito de receber R$ 4 milhões para se aposentar antes do tempo determinado por lei. Com aposentadoria precoce, foi nomeado o ex-deputado estadual Sérgio Ricardo de Almeida para o cargo. Segundo a Folha de São Paulo, a justiça determinou também o afastamento do ex-deputado do cargo de conselheiro, porém, manterá o salário e benefícios até a conclusão do processo.