O ano de 2016 foi traumático para o cenário político com a deposição de uma presidente eleita democraticamente. Muito além da queda de Dilma, o Brasil mostrou um cenário político conturbado, com o envolvimento de vários políticos em esquemas de corrupção denunciados através da operação Lava Jato.

Marcelo Aguiar (DEM-SP) quer proibir conteúdos pornográficos na internet

Durante a votação do impeachment, diversos deputados dedicaram seus votos à família e foram ovacionados na internet. Na sessão que cassou Dilma (PT), foi possível ver a falta de despreparo de alguns políticos, que deveriam discursar em nome da política e acabaram se atrapalhando.

Publicidade
Publicidade

A política brasileira acaba sendo motivo de chacota em todo o mundo. Diversos veículos de comunicação internacionais relatam como é a política no Brasil. Algumas coisas até parecem brincadeira, e o ano de 2017 já começa com uma grande polêmica.

O #deputado federal #Marcelo Aguiar (DEM-SP) resolveu apresentar um plano bastante curioso para a câmara federal. O parlamentar quer diminuir a #Masturbação dos usuários de internet. Sim, você leu certo e tem um deputado federal que está querendo aprovar uma lei que restringe o acesso ao conteúdo pornográfico na internet.

Marcelo Aguiar acredita que diminuindo o acesso ao conteúdo pornográfico os jovens vão se relacionar mais de forma física. Segundo a PL 6.449/2016, devido ao acesso à pornografia, muitos jovens consideram-se autossexuais, procurando o prazer sozinho.

Publicidade

Segunda a proposta do deputado federal do partidos dos Democratas, a intenção é que a regulação aconteça junto às operadoras de internet no país. Elas ficariam responsáveis por criar sistemas capazes de filtrar todos os conteúdos que estejam relacionados aos conteúdos ponográficos oferecidos na internet brasileira.

A proposta de lei está dando o que falar na internet. O assunto já está sendo comentando por diversos usuários em redes sociais e chama a atenção para a liberdade de expressão. O proposta de diminuir a masturbação de usuários da web deve ser votada ainda em 2017, por todos deputados federais.