Ives Gandra Martins Filho, cotado para integrar #STF, afirmou em um artigo publicado por ele no ano de 2010, que mulheres devem obedecer aos seus maridos, além disso, também diz que casamento é algo indissolúvel, assegurando que deve ocorrer apenas entre um homem e uma mulher. Na concepção do ministro, uniões homoafetivas podem ser comparadas com o bestialismo, que ocorre quando um ser humano mantém relação sexual com um animal.

Além de Ives, outros autores também escreveram o livro com ele, sendo chamados para escrever sobre direito constitucional, destaca-se que o livro chama-se “Tratado de Direito Constitucional, v. 1", apresentando uma coletânea de artigos.

Publicidade
Publicidade

Os organizadores do livro foram o pai do ministro citado (Ives Gandra Martins), o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes e o advogado Carlos Valder do Nascimento.

Destaca-se que Ives Filho apresenta uma visão tradicional quanto ao quesito #Família, pois rediz de maneira concreta que família é constituída por um homem e uma mulher, mostrando na concepção dele que a família tradicional é importante não somente para a manutenção da espécie como também para a organização em sociedade.

Preocupado em defender a família patriarcal, afirma que o casamento existe para gerar filhos, assim perpetuando a espécie, sendo necessário que homem e mulher formem família, em uma união que jamais poderá ser abolida.

Para o autor do artigo, o matrimônio existe para duas finalidades: a) geração e educação de filhos; b) auxílio e complementação dos membros da família.

Publicidade

Sendo preceitos e ideias resguardadas pelo modelo patriarcal familiar.

Ante o exposto, o ministro diz que existe uma unidade (homem e mulher) formando um casal com um vínculo permanente para que a finalidade da família esteja caracterizada e livre da corrupção da instituição. Gandra Filho tem ganhado fama de polêmico por dizer que existirá família somente diante da possibilidade de reprodução da espécie, acredita que quando não for possível reproduzir não haverá matrimônio.

Ainda relata que o conceito correto de família engloba em filhos obedecendo aos pais e mulher sendo submissa ao esposo, fatos que formalizam o princípio de autoridade.

Diante do exposto, nota-se que na concepção do ministro para que haja um equilíbrio na família é preciso que todos os requisitos elencados sejam cumpridos para que não haja filhos desajustados, na visão dele haverá um lar estruturado quando os conceitos por ele defendidos forem aplicados.