A ex-primeira-dama Marisa Letícia, 66, está internada no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, desde terça-feira (24), quando foi internada após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC).

Desde que as primeiras informações sobre o estado de saúde da mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram divulgadas, surgiram vários comentários pedindo que ela fosse se tratar no SUS ou fosse atendida por médicos cubanos.

Na manhã da quarta-feira (25), feriado em São Paulo por causa do aniversário da cidade, quatro mulheres foram ao Hospital Sírio Libanês protestar contra a presença de dona #Marisa Letícia no local.

Protesto

As quatro mulheres foram ao Hospital Sírio Libanês com cartazes com os dizeres “Cadê os médicos cubanos?” e “SUS”.

Publicidade
Publicidade

O governo da petista Dilma Rousseff foi o responsável por lançar o programa Mais Médicos, em que profissionais da saúde cubanos vieram ao país atender em hospitais onde médicos nascidos aqui não queriam ir.

O programa foi bastante criticado por parte da imprensa e da população brasileira. Em um vídeo da manifestação que foi parar no YouTube uma mulher aparece conversando com o vereador da cidade de São Paulo Eduardo Suplicy (PT).

A manifestante diz que o PT apoia a ditadura cubana e é apoiada por uma outra, que filma a conversa e incentiva: “é isso aí, Cris”, diz. “#Lula ladrão, seu lugar é na prisão”, continua a mulher que está filmando com o celular.

O #Protesto durou cerca de três horas, mas as manifestantes encontraram resistência por parte de outras pessoas, que questionaram se elas não tinham nada melhor para fazer.

Publicidade

Pedindo que Marisa Letícia fosse atendida no SUS, as mulheres deixaram o local.

Estado de saúde

A situação da ex-primeira-dama ainda é delicada. Ela passou por procedimentos desde que chegou ao hospital e segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Segundo informações, o ex-presidente Lula está bastante preocupado com a situação da esposa, que pode sofrer sequelas graves devido ao AVC. Os médicos dizem que ainda é cedo para qualquer tipo de avaliação.