O ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (#PT), Paulo Ferreira, está tentando, intensamente, sair da prisão. Ele foi preso na Operação Lava Jato, e agora, sua defesa tenta tirá-lo da cadeia sem o pagamento da fiança avaliada em R$ 1 milhão.

Enquanto o juiz federal Sérgio Moro está em recesso, sua substituta, a juíza Gabriela Hardt assume os compromissos da 13ª Vara Federal de Curitiba. Nesta segunda-feira (09), a juíza encaminhou documentos enfatizando os motivos que ela desconsidera o fato de Paulo Ferreira não pagar a fiança estabelecida por Sérgio Moro.

Dentre os motivos, a magistrada avaliou que para descartar o pagamento da fiança, o acusado deve mostrar que está vivendo em péssimas condições financeiras, com uma vida econômica muito falha.

Publicidade
Publicidade

Ela disse que este "não é o caso de Paulo Ferreira". Gabriela ressalta que “a verdade é que a real situação econômica do acusado ainda não foi totalmente esclarecida”.

Sérgio Moro estabeleceu no dia 16 de dezembro de 2016, o valor de R$ 1 milhão para que Paulo saia da cadeia. A defesa do acusado rapidamente entrou com um pedido para que o valor seja reavaliado e de certa forma, "aliviado", pois, segundo advogados, Ferreira estaria "desempregado e com dívidas".

A juíza também documentou sobre um episódio em que Paulo Ferreira foi contemplado com um consórcio em 27 de janeiro de 2007, de cerca de R$ 100 mil. No mês de dezembro de 2014 já foram pagados o valor de R$ 123.905,15 e até o dia 31 de dezembro de 2015 seriam pagas cerca de treze parcelas.

Com isso, a magistrada acredita que Paulo teria um imóvel que poderia ser utilizado para pagar a fiança milionária.

Publicidade

"Não houve ainda contemplação e o valor existente pode ser penhorado para garantir a fiança imposta. Ou houve contemplação e o valor da carta de crédito foi utilizado possivelmente para aquisição ou reforma de um imóvel”, ela fala em hipóteses que ainda devem ser esclarecidas pela defesa do acusado.

Enquanto Paulo Ferreira não se decide se pagará a fiança, ele continua preso em Curitiba. #SérgioMoro #Corrupção