Se alguém próximo a você lhe falasse em tom crítico que o Brasil está sendo governado por ladrões e não é de hoje, talvez essa pessoa pudesse vir a ser censurada. Porém, mediante os últimos acontecimentos na esfera política nacional, a afirmação inicial não está de todo errada. Por exemplo, logo no começo do ano, em 3 de janeiro, o vereador pelo PTB – Partido Trabalhista Brasileiro de Caratinga, Minas Gerais, saiu por algumas horas do presídio para tomar posse no Legislativo da cidade. Menos de um mês deste caso, um outro exemplo semelhante vem de Ubaitaba, sul baiano, onde na manhã do dia 13 de janeiro Messias Aguiar, filiado ao #PMDB – Partido do Movimento Democrático Brasileiro, assumiu o cargo também de vereador, estando com uma das mãos inserida em uma algema de aço e, como que por ironia, sobre o uniforme padrão do #Presídio que ele trajava, o mesmo vestiu um paletó.

Publicidade
Publicidade

A cena em questão resume o viés de uma democracia defeituosa e doentia; tanto é assim, que o meliante político (ou seria político meliante?) foi recepcionado sob aplausos pelos habitantes daquela localidade na Bahia e não parou de rir no transcurso da cerimônia de posse. O crime cometido pelo vereador Messias foi o de ter sido pego com aproximadamente 300 quilos de drogas logo no dia seguinte em que soube ter ganho as eleições municipais, sendo o 2º vereador com mais votos, a saber, 571 pessoas elegeram o criminoso.

"Eu, eu, eu, Messias apareceu", ecoava o povo em uníssono e debaixo de aplausos efusivos, quando Messias Aguiar surgiu algemado em uma viatura para ser empossado, o que foi incapaz de impedir as gargalhadas da nova autoridade política baiana. Quando o evento de posse foi encerrado, Messias, o vereador de Ubaitaba, foi conduzido sob escolta da polícia novamente para o presídio de Valença.

Publicidade

Vale frisar que a previsão de início do mandato do legislativo na cidade é 2 de fevereiro, mas antes mesmo, em 5 de janeiro de 2017, o vereador Messias teve a honra de receber o diploma para exercício do cargo ainda na cadeia, uma vez que a procuração para que o evento pudesse ocorrer havia sido concedida por meio da Justiça Eleitoral.

Se Messias não tivesse sido empossado até o dia 15 de janeiro, seria o suplente que assumiria o cargo; no entanto, o advogado do vereador, Rogério de Andrade, conseguiu que a “Justiça” o liberasse do Conjunto Penal de Valença e fosse até Ubaitaba, assinando assim a sua posse oficial. "Foi uma recepção muito bacana. A presença dele teve uma repercussão muito boa, graças a Deus. Ele é uma vítima e vai ser absolvido", complementou, de forma emocionada, o advogado de Messias Aguiar. Inclusive o defensor frisou que ele nem precisava ter passado pela humilhação de ter tomado posse algemado, mesmo ele tendo sido preso com a posse de cerca de 300 quilos de drogas. #Casos de polícia