Diante da grave #Crise prisional que assusta a sociedade brasileira, o presidente #Michel Temer, começa a tomar ações que visam amenizar o problema penitenciário no Brasil, que resultou desde o início do ano em mais de uma centena de mortes de detentos em presídios do País. Nesta terça-feira (17), o presidente da República pretende se encontrar com os chefes das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica), além do chefe do Gabinete de Segurança Institucional chefe da Polícia Federal, chefe da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), chefe da Receita Federal e chefe do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A reunião está prevista para ocorrer a partir do meio dia desta terça no Palácio do Planalto.

Publicidade
Publicidade

Ações estratégicas

O presidente da República Michel Temer pretende adotar ações estratégicas que visam principalmente coibir a comunicação entre em membros de facções no sistema carcerário do País. Outro ponto a ser debatido, inclusive com a efetivação de ações concretas, é a construção de cinco novos presídios federais já para este ano. Embora seja um problema de predominância estadual, cada vez mais as autoridades têm consciência de que trata-se de um problema de segurança nacional. Segundo o presidente "a situação atual pode ser enfrentada como um problema de segurança da Nação, por isso o objetivo é que os órgãos de inteligência devem trabalhar e atuar nessa área para que possam impedir a proliferação e atuação de facções criminosas", ressaltou Temer. Já mais cedo durante a manhã, a previsão é de que o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, recebesse na sede do Ministério, os secretários de segurança estaduais e também do Distrito Federal, para que se pudesse observar a implementação do Plano Nacional de Segurança.

Publicidade

O Plano foi lançado há aproximadamente dez dias. Além das ações do Poder Executivo, o Judiciário também atua nas fretes de combate ao problema do sistema carcerário do País. A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, se reunirá nesta terça-feira com membros da Associação de Magistrados Brasileiros (AMB), para discutir a crise de violência nos presídios do Brasil. #Governo