De acordo com notícias recentes do jornal O #Antagonista, as relações entre o Partido Social Cristão (#PSC) e o deputado federal Jair Messias #bolsonaro, filiado ao mesmo, estão sendo cortadas.

Em novembro do ano passado, Bolsonaro já havia declarado ao Antagonista que não pretendia permanecer no PSC por muito tempo. Para ele, a gota d'água havia sido o apoio do partido ao candidato de Flávio Dino no Maranhão, do Partido Comunista do Brasil (PC do B), partido com total desacordo ideológico com as ideias de Bolsonaro. Na ocasião, o deputado havia dito que deixaria o atual partido assim que abrisse a "janela partidária" e que sairia "numa boa", "sem levar mágoa alguma".

Publicidade
Publicidade

Porém, agora o desinteresse tornou-se mútuo. Uma declaração do PSC ao jornal afirmava que o partido tinha a intenção de se mostrar como uma opção de "direita moderna" e que Bolsonaro não cabe a este papel. Líderes avaliam que o parlamentar tem "muita personalidade, mas pouca ação partidária".

O que o PSC entende como falta de "ação partidária" é, de acordo com os seguidores do parlamentar, o fato de que Jair Bolsonaro está se opondo às alianças consideradas "escusas" que o partido está fazendo, como o já mencionado feito com o candidato Flávio Dino, governador do Maranhão.

O PSC teria feito pressão no deputado para que este declarasse apoio a Gilberto Nascimento Júnior para a Câmara Municipal. Porém, indo contra a coligação do partido a qual pertence, Jair Bolsonaro permitiu que a candidata Daniela Bruzarrosco, do PTC, usasse imagens suas e de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro, em sua campanha.

Publicidade

A coligação do PSC é a mesma do então candidato Celso Russomanno, do PRB, enquanto o partido de Daniela Bruzarrosco dava apoio à João Dória, do PSDB, que foi eleito prefeito de São Paulo e assumiu o mandato no primeiro dia do ano de 2017. A participação de Jair e Eduardo Bolsonaro na campanha para vereadora de Daniela contou também com um vídeo que teve grande repercussão.

Após a inevitável saída de Bolsonaro do PSC, o deputado deve migrar para o Partido da República (PR), de acordo com nota exclusiva divulgada ainda em novembro também pel'O Antagonista.