No Estado do Rio de Janeiro, os presídios se encontram em atenção máxima, desde outubro do ano passado. Mas com o massacre ocorrido em Manaus no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o alerta mais que dobrou nas prisões. Existe um receio das facções Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV) entrarem em conflito e mais mortes acontecer.

Quem está vivendo em grande pânico no Complexo Penitenciário de Bangu é o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral. Segundo informações, Cabral e sua esposa Adriana Ancelmo entraram em desespero após saberem da rebelião e da crueldade no #Presídio do Amazonas.

Essa falta de controle do Estado e poucas medidas rigorosas pode favorecer mais rebeliões e expandir por todo o Brasil.

Publicidade
Publicidade

Outros presos podem ser vítimas.

Um outro grande problema do ex-governador e de sua esposa é estarem num mesmo Complexo, mas praticamente, não se verem. Eles estão num grande sofrimento. A mulher de Cabral está na ala feminina Joaquim Teixeira e ele na cadeia Pedrolino Werling de Oliveira.

Alerta

Os agentes penitenciários comentam que as cadeias estão em más condições, com alimentos deteriorados e o calor do verão muito forte, pode acirrar o ânimo dos presos.e as agressões começarem.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio, a rotina das unidades prisionais, por enquanto, está normal. Até agora não foi constatado nenhum princípio de rebelião. As revistas estão sendo feitas para manter a segurança, afirma a Seap.

"Racha"

O "racha" entre as facções está sendo monitorado pelos agentes.

Publicidade

De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário, Gutemberg de Oliveira, o Estado do Rio está "ligado" com o que acontece nos presídios e preparados para qualquer intervenção. Segundo Gutemberg, os maiores problemas dos presídios é a superlotação, a falta de rapidez da Justiça, em julgar os casos, e o forte calor que incomoda.

Os servidores também criticam o déficit de pessoal. Existem 6.000 servidores, mas só 1.500 na atividade fim, divididos em plantão. #riodejaneiro #SérgioCabral