De acordo com relatório da Polícia Federal, mensagens de celular entre o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-ministro #Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) discutiriam repasse de fundos para o #Partido Social Cristão, conforme havia sido pedido pelo presidente do partido, Pastor Everaldo. A Polícia Federal afirma que as mensagens haviam sido trocadas no ano de 2012. As mensagens foram encontradas em um telefone celular apreendido de Eduardo Cunha em dezembro de 2015 pela Operação Catilinárias.

Devido às mensagens, a Polícia Federal iniciou uma ação contra fraude na Caixa, na qual Geddel era um dos principais alvos na investigação.

Publicidade
Publicidade

Nela, os policiais organizaram uma busca no imóvel do ex-ministro, que fica em área nobre de Salvador e conta com um apartamento por andar. A essa operação, ocorrida na sexta-feira, dia 13 de janeiro, os policiais chamaram de Cui Bono - expressão em latim que significa "a quem beneficia?". Agentes saíram do condomínio investigado de Geddel carregando uma maleta em mãos. A ação buscava encontrar provas do possível esquema de fraudes na liberação de créditos da Caixa Econômica nos anos de 2011, 2012 e 2013. À época, Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa e Cunha, líder do PMDB na Câmara.

Logo após a revelação do conteúdo das mensagens, o PSC lançou uma nota afirmando que todas as contribuições feitas ao mesmo "obedecem à legislação eleitoral vigente e são devidamente informadas à Justiça Eleitoral".

Publicidade

Nas mensagens trocadas em 11 de setembro de 2012, tanto Cunha quanto Geddel afirmaram estar sendo "perturbados" por recursos pelo PSC. Em 17 de agosto do mesmo ano, Geddel havia enviado uma mensagem para Cunha afirmando que "Caso Dinâmica de Everaldo resolvido". Desde então não houve registro de qualquer resposta do deputado cassado. Peritos da Polícia Federal afirmam que esse "caso" refere-se à empresa Dinâmica Segurança Patrimonial, cujo sócio-administrador é Edson da Silva Torres, sócio de #Pastor Everaldo, de acordo com a PF.

A assessoria de Geddel não declarou nada aos jornais.