Situação inusitada na Câmara Municipal de Caratinga, Minas Gerais. O presidiário Ronílson Marcílio Alves (PTB) chegou na Câmara Municipal da cidade algemado, com o uniforme vermelho do sistema prisional e sob escolta policial. Ele tomou posse no cargo de vereador, nesta terça-feira (03). A cidade de Caratinga fica distante 320 Km de Belo Horizonte.

Observado de perto pelos policiais, Alves fez o juramento solene de posse permanecendo mais de uma hora no local. Ele prometeu cumprir severamente a Constituição Brasileira, obedecendo dignamente todas as leis. "Trabalharei em prol do povo de Caratinga para que tenham uma vida melhor", afirmou o detento.

Publicidade
Publicidade

Em seguida ele assinou o termo de posse.

Investigações

O vereador presidiário foi reeleito com 854 votos, mas um mês depois tornou-se alvo de investigações da Polícia Civil. Os policiais fizeram apreensões em sua casa, levando documentos, computadores, celulares e o conduziu para dar explicações sobre diversos fatos.

Alves chegou a ser solto, mas em dezembro, voltou a ser preso e agora em regime fechado. O motivo de sua #Prisão segue em sigilo na Polícia Civil.

De acordo com informações de uma rádio de Caratinga, o vereador é acusado de extorsão contra um padre da cidade. Ele e mais três pessoas teriam exigido R$ 200 mil de um padre para que não fosse divulgado vídeos íntimos.

Posse

Na terça (03), a Vara de Execuções permitiu que o presidiário assinasse a sua posse, pois segundo o regimento da Câmara Municipal, ele teria apenas 10 dias para assinar, caso não comparecesse na cerimônia de domingo (01).

Publicidade

Mesmo estando preso e sem atuar em prol da população, Alves receberá, nos meses de janeiro e fevereiro, o salário mensal de R$ 9.015 como parlamentar. Essas são as regras da Câmara da cidade.

O advogado que cuida do caso do político não foi encontrado para dar explicações. Resta aguardar a Justiça definir se o presidiário assuma o seu cargo como todos os outros eleitos ou que ele se confirme na prisão e um suplente entre no seu lugar, ocupando a cadeira da Câmara. #Polêmica #Política