A #Crise carcerária no Brasil atinge patamares e contornos de tensão altíssima, alcançando níveis de "bomba" prestes a explodir. Entretanto, sabe-se que o grave problema de segurança pública e principalmente, a situação dos presídios brasileiros, muitas vezes dominados por facções criminosas, é algo que há décadas, o país vem se deparando. Ao perceber o momento e os riscos inerentes de uma "guerra" entre facções pode se transformar, o presidente da República, #Michel Temer, editou um decreto que autoriza a utilização das Forças Armadas dentro de presídios para o trabalho de inspeções, sem que tenham em um primeiro momento, contato com os detentos.

Publicidade
Publicidade

A fala do presidente ocorreu nesta quarta-feira (18), durante reunião com governadores de vários estados e secretários de segurança, no Palácio do Planalto. O objetivo do governo, é que, a partir dessa reunião, o emprego das Forças Armadas seja solicitado pelos governadores em seus respectivos estados para atuação nos presídios que apresentem riscos de rebelião e até prevenir eventuais atos de violência e disputas de facções criminosas que possam resultar em mortes de presos.

'Fator de atemorização'

Segundo o presidente Temer, "as Forças Armadas serão um fator de atemorização nos presídios", frisou o mandatário. Ele ressaltou ainda que "as Forças Armadas não devem exercitar o papel de segurança pública, porém, é preponderante que mantenham a lei e a ordem, de acordo com os termos constitucionais." O presidente reconheceu que é extremamente grave a crise nos presídios estaduais e que o tema passou a ser um assunto em nível nacional, já que segundo ele, ultrapassou todas as fronteiras jurídicas e físicas dos estados brasileiros.

Publicidade

Temer mencionou ainda as "cenas pavorosas" que foram divulgas pelos meios de comunicação, principalmente na televisão e na internet, em que eram mostradas imagens de rebeliões ao vivo: "são cenas realmente pavorosas, algo difícil se de olhar e muitas vezes, são inimagináveis", lamentou. Num sinal de esperança e de firmeza, o presidente concluiu que irá lidar com o assunto de modo enérgico, ao afirmar que irá "liquidar com esse assunto", em se tratando da grave crise carcerária no Brasil. #Presídio