Michel Temer tomou posse de forma efetivo na presidência da República no dia 31 de agosto. Passados agora pouco mais de quatro meses de governo, o Planalto resolveu fazer uma propaganda de página inteira nos principais jornais do país para expor os números do "crescimento econômico" na gestão do peemedebista. O problema foi que as informações repassadas nas propagandas não eram as mais verdadeiras.

Além das peças impressas nos jornais no dia 29 de dezembro do ano passado, também foi lançado um site oficial para divulgar os dados.

Já de início, o titulo da peça de destaque é o seguinte: "120 dias com coragem para fazer as reformas que o Brasil precisa".

Publicidade
Publicidade

Além disso, a propaganda afirma que foram "quatro meses de trabalho intenso".

O governo Temer apresenta uma lista com 40 itens que teriam sido executados pela gestão do peemedebista nesse período em que ele foi efetivado. Curiosamente, alguns desses pontos não querem dizer quase que absolutamente nada a ver com Temer ou não, como, por exemplo, a variação da cotação do dólar, que a propaganda coloca como uma ação do governo. Além desse ponto, informações genéricas são apontadas, como a "moralização das nomeações nas estatais". Ironicamente, na gestão do PT à frente da presidência da República, muitas das nomeações nas estatais, inclusive Petrobras, eram feitas pelos caciques do PMDB.

Outros itens apontados por Temer são polêmicos, como: reforma do ensino médio, PEC do teto de gastos e a reforma trabalhista.

Publicidade

Mas o pior ainda estava por vir. A propaganda ainda faz afirmações distorcidas sobre o cenário econômico na gestão de Michel Temer.

Veja algumas das afirmações da propaganda que não condizem com a verdade dos fatos:

Segundo a propaganda, foram extintos 14.200 funções e cargos comissionados em uma "reforma administrativa". Na verdade, foi aprovada uma lei que permite que o governo extinga cargos, porém, permite que, na mesma proporção, crie "funções de confiança" que seriam denominadas de Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE). Dos 14.200 cargos que a propaganda trata, segundo matéria do UOL, 10.462 foram transforados em FCPE.

A propaganda também afirma que houve valorização das estatais: Petrobras (114%), Eletrobras (237%), Banco do Brasil (98%). Porém, essa é uma grande distorção da realizada. Segundo números do Bovespa analisado pela UOL, a Petrobras ON teve valorização de 15,2%. Já a Petrobras PN valorizou 15%. A Eletrobras ON subiu somente 0,93%,. Já a Eletrobras PNB caiu 8,35%.

Publicidade

O Banco do Brasil valorizou 19,3%.

A defesa do governo federal é que, na verdade, utilizaram o período de um ano, não apenas os 120 dias da gestão Temer.

Outra mentira é que o Brasil teve um saldo positivo de US$ 45 bilhões no comércio exterior até a terceira semana de dezembro. Segundo a premissa da propaganda, esse teria sido o saldo durante os 120 dias da gestão Temer. Porém, na realidade, segundo dados oficiais do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, no período de Temer, o saldo foi de US$ 15,3 bilhões. Novamente, a defesa do governo federal afirmou que o números apresentados na propaganda são referentes ao ano de 2016 inteiro. #Dentro da política