Em um acidente de avião na região de Paraty nessa quinta-feira, dia 19, faleceu o relator responsável pela Operação Lava Jato, Teori Zavascki. O avião carregava quatro pessoas.

No dia anterior à queda do avião, Teoria falo em quebrar o sigilo de mais de mil delações da Odebrecht feitas em fevereiro durante as investigações. A coincidência fez com que a opinião geral nas redes sociais quanto à morte súbita do relator fosse de que a morte não teria sido um acidente, e sim um assassinato. A teoria ganhou força após o filho de #Teori Zavascki confirmar que a sua família recebia ameaças devido ao trabalho do pai.

"Acidente de avião é raridade, mais raro ainda é cair o avião do ministro que coincidentemente abriu mão das férias pra dar andamento no processo da Lava Jato", comentou um brasileiro, referindo-se ao fato de que Teori havia abdicado das suas férias durante o recesso da Justiça para analisar as delações da Odebrecht.

Publicidade
Publicidade

"#Celso Daniel morreu assassinado. Tem pelo menos 18 mortes inexplicadas relacionadas ao caso. Pasadena pegou fogo. Um dos membros do conselho de administração dela morreu em desastre de avião. Outro com "tiro acidental na cabeça". Líder de movimento anti-PT foi assassinado. Agora o avião de Teori Zavascki caiu. Dá azar ser contra o PT", concluiu uma comentarista no Facebook.

O público relacionou o acidente aéreo com o caso da morte de #Eduardo Campos, candidato à presidência nas eleições de 2014, que veio a falecer, também, em um acidente aéreo fatal pouco antes das eleições. Campos estava ganhando força de acordo com pesquisas de intenção de votos da época.

"Celso Daniel, Eduardo Campos, Teori Zavascki... Pode algum deles ter morrido por coincidência, logo antes de tomar alguma decisão de grandes proporções? Pode.

Publicidade

Mas será que nos 3 casos foi coincidência? Difícil de crer", dizia um comentário popular no Facebook.

O público está exigindo agilidade nas investigações e teme por mais "queimas de arquivo", como estão referindo-se À morte de Teori. "Cabe investigação rápida e minuciosa! Quem estava no hangar? Quem abasteceu o avião? Quem fez a manutenção?", questionou um comentarista no site da revista Veja.