Pode parecer estranho, mas #Lula já pensou em colocar o presidente Michel #Temer como ministro no #STF.

Temer já foi sondado duas vezes para assumir uma cadeira na Corte Suprema. Agora, ele está em outro lado, ele terá que indicar alguém para substituir o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, morto em um acidente. Vários nomes já foram sugeridos para ele, mas conforme ele mesmo disse, a decisão final será apenas sua.

Voltando um pouco ao passado, dois ex-presidentes chegaram a cotar Temer para o STF, porém, em nenhum caso, o convite foi feito formalmente.

O primeiro contato ocorreu em 1996 no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Publicidade
Publicidade

FHC procurava um ministro para o lugar de Francisco Rezek, que se aposentaria no ano seguinte. Naquela época, Temer era deputado federal, líder do PMDB e tentava a presidência da Câmara dos Deputados. Algumas pessoas ligadas a FHC chegaram a conversar com pessoas próximas de Temer para ver se haveria a possibilidade dele assumir a cadeira de Rezek.

O objetivo do Planalto era que Temer deixasse a candidatura da Câmara abrindo espaço para o governo colocar alguém da base aliada no Congresso.

Dias se passaram e Temer se tornou o presidente da Câmara e FHC indicou para o Supremo o ministro Nelson Jobim.

Ex-presidente Lula

Após oito anos, mais uma sondagem ocorreu, no primeiro mandato do ex-presidente Lula. O governo petista procurava um substituto para Maurício Corrêa, ministro que se aposentou com 70 anos.

Publicidade

Naquela época, Temer pensava em abandonar Lula devido uma crise política. Para evitar que isso acontecesse, Lula chegou a enviar emissários para tratar da indicação com assessores do peemedebista. Se Lula conseguisse firmar essa nomeação de Temer, o ex-senador Maguito Vilela assumiria o comando do PMDB e faria o PMDB ficar mais próximo de Lula.

Também não deu certo o que Lula pretendia e Eros Graus assumiu a cadeira de Corrêa. Hoje ele já está fora do Supremo.

Renan Calheiros

Conforme informações de assessores e aliados de Temer daquela época, as movimentações de indicação tinham as digitas do atual presidente do Senado Renan Calheiros, que sempre teve uma relação conturbada com o peemedebista.