Fernando Holiday, eleito vereador pelo Democratas de São Paulo, ficou conhecido em todo o país durante sua luta a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT). A sua nova bandeira #Política, no entanto, assim como a luta pela queda de uma presidente, deve dar o que falar. Negro, homossexual e com apenas vinte anos, Fernando é da ala mais à direita da Câmara da maior cidade do país. Ele defende o fim das cotas raciais, mas não só isso. Holiday quer o fim do feriado da Consciência Negra, comemorado no dia 20 de novembro. Em alguns locais do Brasil, esse feriado é conhecido como o Dia de Zumbi dos Palmares.

Publicidade
Publicidade

Em entrevista à TV Câmara, nesta quinta-feira, 5, o novo vereador contou sobre as suas propostas. Eleito com mais de quarenta e oito mil votos, ele quer defender quem deu essa confiança em seus argumentos. Ainda na campanha, o vereador dizia que lutaria por essas causas e já na primeira semana de trabalho ele quer mostrar serviço. Em novembro do ano passado, o vereador empossado usou sua página no Facebook para chamar de "absurdo" o fato de existir um feriado, cujo objetivo é fazer uma homenagem a quem chamou de "assassino escravagista". Holiday fazia referência ao próprio Zumbi dos Palmares, que auxiliou outros escravos, levando-os para quilombos, locais onde os fugitivos podiam se esconder e tinham a ajuda de outros escravos fugidos. Zumbi, por conta do seu trabalho, acabou sendo assassinado no dia 20 de novembro, data que marca o feriado.

Publicidade

“É um debate que há muito tempo venho encampando, contrário às cotas, porque acredito que elas reforçam o racismo ao invés de ajudar os negros", disse o político em entrevista à Câmara. O mesmo, segundo ele, vale para a questão do feriado da Consciência Negra. Apesar de querer acabar com o feriado, Fernando, por si só, não teria essa capacidade. Isso porque o Dia da Consciência Negra foi aprovado em âmbito federal pela ex-presidente Dilma, em 2011. Na lei que ela aprovou, Dilma permitia aos estados e municípios que dessem ou não um dia de folga nesta data. Ou seja, Holiday precisa agora convencer outros vereadores e o prefeito eleito, João Doria, a cancelar o feriado.