Durante um #Debate democrático, o cidadão #felipe Diehl discursava ao declarar apoio ao deputado federal e pré-candidato à presidência da república, #Jair Bolsonaro (PSC), ao exército e aos policiais militares. Por esse motivo ele quase apanhou dos seus ouvintes que levantaram a voz e começaram a gritar “fascistas, fascistas, não passarão”. Um dos ouvintes teve que conter a maioria do público que se manifestava contra o apoio de Felipe ao deputado Bolsonaro. As coisas só pioraram quando o Felipe Diehl abriu sua camisa, e por dentro tinha outra camiseta com a imagem da estampa, uma foto muito conhecida nas redes sociais, a do deputado Jair Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Enquanto o tumulto aumentava, Felipe foi impedido de continuar discursando e teve seu microfone retirado com o apoio de ampla maioria, que não parava com os gritos e com as ameaças. Um dos debatedores que estava sentado à mesa, tentou acalmar os ânimos dos ouvintes, porém acabou deixando as pessoas mais irritadas, ao chamar o Felipe de “meliante”, e ainda, por acusá-lo de querer causar tumulto no debate democrático.

Felipe Diehl, não pode fazer nada, apesar do debate ser democrático, ele não pode continuar com seu discurso e muito menos reivindicar um direito à defesa, pelos insultos promovidos por parte do publico que participava desse debate. Acabou sendo expulso do local e por pouco não foi agredido ao passar entre os manifestantes. O debate continuou sem a presença do Felipe Diehl que tinha dito ao começar seu discurso, ser representante da direita gaúcha do Rio Grande do Sul.

Publicidade

Já teve outra ocasião, em que um aluno de uma universidade pública foi agredido por colegas ao chegar para assistir aulas com a camiseta contendo a imagem do deputado federal Jair Bolsonaro. Essa história teve repercussão nacional e o próprio deputado comentou o caso nas suas contas das redes sociais. Jorge Fontenelle que relatou após o acontecimento que, “direito de entrar e sair livremente e como quiser”. Esse era o desejo do inspetor da Polícia Civil e estudante do curso de Letras da Universidade Federal do Ceará (UFC). Em nota, a UFC informou que, “o fato estaria sendo devidamente apurado, tendo em vista que o ambiente é um espaço plural e democrático que respeita a diversidade de ideais e opiniões”.