A população precisa se armar para se defender em situações de extrema violência e risco à vida, como a que se está vivendo no Espírito Santo, que enfrenta o caos após o início de uma onda de violência que ganhou mais força após a greve de policiais militares. Essa é a conclusão do deputado federal Jair Messias #bolsonaro (PSC-RJ). Ele realizou uma transmissão ao vivo em seu perfil oficial no Facebook na última segunda-feira (6), onde comentou sobre a crise na segurança pública que está assolando o Espírito Santo e deixando a população com medo até de sair às ruas.

Bolsonaro fez um apelo ao governo capixaba para que o acordo com os militares, que pedem reajuste salarial, avance e assim diminua a violência no estado.

Publicidade
Publicidade

O parlamentar afirmou que a onda de violência no Espírito Santo é uma boa justificativa para defender o uso de armas por parte da população. Durante a transmissão do vídeo, o deputado afirma reconhecer que os problemas de seu estado, o Rio de Janeiro, também merecem atenção, mas não consegue ficar alheio aos casos de violência no Espírito Santo. Bolsonaro diz ainda que sem os policiais militares nas ruas, a população está sem defesa, o que prova que o trabalho desses profissionais é essencial, e por isso critica veemente aqueles que defendem a desmilitarização da PM.

Ele comentou sobre os vídeos gravados por populares e que circulam nas redes sociais mostrando a forma como os bandidos estão agindo na capital Vitória em plena luz do dia. Para ele, imagens como essas mostram que é impossível alguém ainda defender a desmilitarização das polícias militares porque aumentaria a situação da insegurança no país.

Publicidade

A violência no Espírito Santo e o desarmamento

Durante a transmissão, ele comentou que a população do Espírito Santo não se sente segura nem mesmo dentro de suas residências. Para o parlamentar carioca, essa sensação de insegurança se deve à campanha pelo desarmamento, que teve início com um referendo no ano de 2005. Na consulta popular realizada à época, grande parte da população brasileira (64%) votou contra a proibição da venda de armas de fogo no país. Em seguida, o governo federal orientou os cidadãos que possuíam algum tipo de arma em casa, que fizessem a entrega de forma voluntária. #Espirito Santo #Casos de polícia