Um episódio onde uma procuradora comentava sobre o papel da escola na educação de uma criança gerou polêmica na internet, chegando até o deputado federal Eduardo #bolsonaro (PSC-RJ), filho do deputado e pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Apoiado por seus seguidores, Eduardo criticou a ideia de que a criança não pertence à #Família, e sim à escola, subsequente ao Estado. Em uma postam feita nesta segunda-feira (27) em sua página no Facebook, o deputado questionou, se teria sido o Estado que teria engravidado a mãe e formado a família, pois apenas dessa forma o mesmo poderia ter tamanho poder sobre a sua criação.

Publicidade
Publicidade

O deputado ainda relacionou o caso à aversão ao projeto #Escola Sem Partido, já defendido por ele na Câmara Federal, além de mencionar uma resistência pública à ideia do homeschooling, prática de ensinar em casa aos filhos, legalizada e comum em muitos países.

No vídeo compartilhado, a procuradora Débora Duprat dizia que a ideia de que a família tem poder absoluto sobre as crianças é errada e mencionou a Constituição, alegando que a criança é um "problema" da família, mas também do Estado e da escola. Ela salientou ainda que a educação dada pela família em casa não pode se sobressair diante da educação dada pela escola e pelo Estado.

A opinião dada seria em virtude do projeto Escola Sem Partido e buscando argumentar que, por estes motivos, o mesmo seria inconstitucional, uma vez que, segundo a procuradora, a proposta dá mais importância à educação familiar do que à estatal.

Publicidade

No vídeo original e completo, pode-se ouvir a resposta do advogado e responsável pelo movimento Escola Sem Partido, Miguel Nagib, que se opôs à Débora e também ao deputado do PSOL que se encontrava na discussão.

Nos comentários da publicação de Eduardo Bolsonaro, muitos exemplificaram o porquê de concordarem tanto com deputado quanto com Miguel Nagib, alegando que se era a família quem provia alimentação, carinho e necessidades básicas, a criança a ela. Outros debocharam ainda que era "uma piada" sobrepor a educação estatal à familiar, uma vez que o Estado falhava em responsabilidades básicas, como a própria educação, saúde e segurança.

Veja a publicação abaixo e também a resposta de Miguel Nagib em vídeo: