Deputado federal e candidato à Presidência da República nas eleições de 2018, Jair Bolsonaro (PSC) esteve na Paraíba, nos últimos dias, para dar palestras e divulgar sua campanha para o pleito do ano que vem.

Quando chegou à cidade de Campina Grande, na quarta-feira (8), o candidato à Presidência discursou ainda no aeroporto João Suassuna e suas falas chamaram a atenção de todos e geraram bastante polêmica.

O deputado federal retornou da Paraíba nesta sexta-feira (10).

#MST

#Jair Bolsonaro nunca escondeu de ninguém que é extremamente crítico ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Serra Terra (MST). Em seu discurso em cima de um carro de som no aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, o deputado federal fez duras críticas ao movimento.

Publicidade
Publicidade

Primeiro Bolsonaro afirmou que confia na Polícia Militar e que dará porte de arma a todo cidadão de bem no Brasil. A liberação do uso de armas de fogo é uma das maiores bandeiras levantadas por Bolsonaro e seus seguidores.

“(Para) os marginais do MST que param o agronegócio, vamos dar fuzil para o produtor rural, porque cartão de visita para invasor é o rifle 762", disse o candidato à presidência.

Enquanto discursava, seguidores do político entoavam um grito que se tornado comum por onde Bolsonaro passa. “um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil”.

Polêmicas

Na última semana, Jair Bolsonaro se envolveu em polêmica depois que fotos de uma conversa dele com o filho Eduardo foram divulgadas pelo fotógrafo Lula Marques.

Na conversa, Bolsonaro dá bronca no filho, que não compareceu à votação para presidência da Câmara, fala que ele está comprando porcarias e que não vai visitá-lo na Papuda, penitenciária localizada no Distrito Federal.

Publicidade

Depois da polêmica, pai e filho gravaram um vídeo juntos explicando a situação. Segundo Jair, o filho estava na Austrália e, como havia prometido comprar um fuzil para o pai quando estava nos Estados Unidos, Bolsonaro o criticou. “Ele não seria louco de comprar e nem eu de aceitar”, disse.