O procurador Carlos Fernando de Souza Santos Lima declarou que os procuradores da Lava Jato são favoráveis ao vazamento das delações da Odebrecht. Carlos Fernando disse que todo vazamento é um risco que pode comprometer as investigações. Entretanto, a #Lava Jato e, inclusive, o procurador-geral assumem o risco. Diz ainda que os vazamentos para o jogo político não interessam a eles.

Riscos que os vazamentos causam

O procurador declara que nenhuma das opções, vazar ou não vazar, são cem por cento seguras. Nos dois casos é um risco a se correr. No entanto, acha que o risco é menor quando a Procuradoria Geral da República pede a abertura das delações.

Publicidade
Publicidade

Punições a executivos da Odebrecht

Indagado pelo 'O Globo' se executivos da Odebrecht serão punidos por esconder informações, Carlos Fernando afirmou que sim. Disse que se algum executivo deixar de revelar algum fato, o mesmo deverá se justificar. A Lava Jato vai analisar a sua justificativa e se não for considerada válida, o mesmo será penalizado.

Sobre as delações da Andrade Gutierrez, Carlos Fernando confirmou as palavras de Sérgio Machado. Segundo o mesmo, a #Andrade Gutierrez omitiu fatos contra Aécio Neves e foi muito pesada contra o PT e Sérgio Cabral. Declarou que não falaram sobre a Cidade Administrativa do estado de Minas Gerais. Entretanto, essa investigação está na Suprema Corte porque envolve pessoas com prerrogativa de foro. Disse que nesses casos, a empresa será punida com multa maior ou outra penalidade.

Publicidade

A indicação de Alexandre Morais para o STF

A procuradoria está tranquila quanto à indicação do ex-ministro da Justiça para o STF. Segundo o procurador, a Lava Jato tinha uma preocupação natural quanto à posição do novo ministro do STF. No entanto, Moraes se mostrou favorável à jurisprudência atual do Supremo. O novo ministro tem ideias favoráveis à manutenção da prisão em segunda instância e execução de sentenças. Diz ainda que Moraes é um constitucionalista de respeito.

Esperanças da Lava Jato em 2017

Carlos Fernando disse que, em 2017, a Lava Jato vai continuar fazendo operações, mas não no mesmo ritmo. O procurador afirmou ainda que dependerá da cisão dos depoimentos da Odebrecht para que a Lava Jato tenha uma idéia do futuro. Declarou que só para fazer denúncias de fatos já investigados, precisarão de mais três ou quatro anos, o que chegaria a 2020. #Jogo politico