Por essa um grupo de militantes políticos não esperavam: após se organizarem para injuriar #Lula Marques e denunciar seu perfil, o Facebook pediu desculpas ao fotojornalista político por ter removido as fotos que geraram a polêmica. Como forma de demonstrar o reconhecimento do erro, de ter permitido que o perfil de Marques ficasse bloqueado por algumas horas, a rede social lhe conferiu o selo de ‘conta verificada’.

A princípio, um grupo de militantes que apoia Jair Bolsonaro se juntou para dizer que Lula Marques havia publicado conteúdo falso em seu perfil, mas, diante da dúvida, o profissional de imprensa divulgou várias fotos e a conversa de Jair com seu filho Eduardo, que não votou no pai no dia da eleição que escolheu o novo presidente da Câmara, pois, mesmo durante semana de sessões no Congresso, estava aproveitando uma viagem na Austrália.

Publicidade
Publicidade

Quem acessar o perfil de Lula Marques já pode encontrar o selo de autenticidade. Quando denúncias falsas são realizadas na rede social, é comum que outras da mesma pessoa não sejam mais levadas em consideração por um tempo.

Veja a mensagem do Facebook para Lula Marques:

O que Eduardo Bolsonaro fazia de errado na Austrália?

O recesso parlamentar já havia terminado e pouco mais de 500 parlamentares se organizavam para votar na eleição da presidência, que culminou com a reeleição de Rodrigo Maia (DEM). Entretanto, #Eduardo Bolsonaro estava em outro país e, segundo mensagem divulgada pelo fotógrafo, ele "esqueceu" o dia que aconteceria a eleição.

Desde então, vários jornais questionam o que o político fazia de tão errado em outro país. Segundo mensagem de #Jair Bolsonaro, a imprensa jamais poderia descobrir o que o filho estava fazendo, caso contrário, o fígado de ambos seria "comido".

Publicidade

Na quinta-feira, 9, após a repercussão, Jair disse que deu uma bronca no filho porque ele não estava na Câmara para votar nele, bem como havia dito que compraria um fuzil para presenteá-lo. Ainda com essa resposta, vários meios de comunicação questionam sua credibilidade, pois, se em um momento a imprensa nunca poderia saber o que o parlamentar fazia, no outro pareceu bem simples o que estava acontecendo.

Os dois não devem se pronunciar mais sobre o assunto, mas acreditam que o fotojornalista político invadiu a privacidade de ambos, ao fotografar a conversa em uma sessão pública da Câmara.

O parlamentares também acreditam que são vítimas de perseguição da ‘mídia tendenciosa’ e constantemente criticam os meios de comunicação, entretanto, já admitiram precisar da imprensa para a campanha presidencial de Bolsonaro em 2018, tanto que Jair já participou, inúmeras vezes, do programa de Luciana Gimenez, na Rede TV.

E você, acha que os políticos foram sinceros ou existe algo que ocultaram da imprensa? Deixe a sua opinião com um comentário.