A cantora #Claudia Leitte se envolveu em uma polêmica com o Ministério da Cultura (MinC), ela não apresentou de forma correta a utilização do dinheiro vindo da Lei Rouanet, descumprindo as leis do programa. O MinC informou que venceu o prazo para a cantora pagar uma dívida no valor de R$ 1,2 milhão e agora o processo será encaminhado para o Tribunal de Contas da União (#TCU).

O prazo para a cantora pagar a dívida era até 7 de janeiro, em até 45 dias o processo será enviado para o TCU. A empresa da cantora, a CIEL (Empreendimentos Artísticos) disse que não irá se pronunciar sobre o caso. Com o processo no TCU, ela poderá entrar no Cadastro Informativo dos Créditos Não Quitados de Órgãos e Entidades Federais (Cadin) e se tornar uma devedora oficial do governo.

Publicidade
Publicidade

O prazo até o início de janeiro era para ela começar a parcelar a dívida ou então, quitar totalmente.

Contas reprovadas

Claudia Leitte realizou uma turnê descumprindo as regras da Lei Rouanet que bancou todos os shows previstos no programa. A empresa de Claudia, a CIEL, é apontada por não ter cumprido a "democratização de acesso". A cantora vendeu ingressos mais caros que o previsto e não distribuiu a porcentagem de 8,5 de ingressos para alunos de escolas públicas conforme as regras do MinC.

A falta de informações prejudicaram a cantora, ela não informou sobre quantidade de pessoas que assistiram a um show em Cuiabá e nem informações sobre a bilheteria. O valor milionário a ser devolvido é o mesmo que foi captado pela lei, porém corrigido, de um montante de R$ 5,8 milhões, Cláudia conseguiu R$ 1,2 milhão via Lei Rouanet.

Publicidade

Nega irregularidades

Em outubro do ano passado, a empresa da cantora se pronunciou afirmando que nega quaisquer irregularidades com a turnê. A CIEL tinha dito que entrará com recursos e que iria apresentar todas as contas para evitar devolver esse valor milionário para o governo. Para tristeza da cantora, o MinC reprovou o recurso apresentado pela sua defesa.

Na página do MinC é possível ver notas fiscais de trabalhos realizados via Lei Rouanet, mas as notas apresentadas pela CIEL não são suficientes e o MinC pediu mais esclarecimentos. #Lei Roaunet