Alexandrino de Alencar, ex-diretor da #Odebrecht Infraestrutura, é um dos 77 executivos que estão fazendo delação premiada para explicar toda a roubalheira que tomou conta da empresa. Ele foi condenado pela Operação Lava Jato a uma pena de sete anos e meio por pagamento de propina no valor de R$ 1,9 bilhões.

Keli gomes da Silva é manicure e analfabeta e teve a mesma pena de Alencar. Ela foi condenada a sete anos e meio. O motivo de sua condenação é o roubo de quatro pacotes de fraldas. Ela deu prejuízo de R$ 150 para um supermercado, que fica na periferia de São Paulo.

São duas histórias diferentes mas com a mesma pena.

Publicidade
Publicidade

Aos olhos da #Justiça brasileira, Keli e Alencar devem pagar pelos seus erros, independente se ele roubou bilhões e ela alguns pacotes de fraldas.

Outro caso

Um outro caso semelhante é da Romeia Pereira da Silva que teve uma condenação bem maior do que o empresário Marcelo Odebrecht. Ela teve uma pena de 34 anos de prisão por adquirir produto de origem ilícita. Foram encontrados nove toca-discos em sua loja. Já Marcelo Odebrecht ficará bem menos tempo preso do que ela, mas se for anotar o que ele roubou dos cofres públicos, ele teria que ter prisão perpétua.

A juíza Fernanda Afonso de Almeida explicou que esta diferença de crimes, com leis iguais para ambos os casos, é devido uma distinção do próprio tratamento das leis. Caso alguém devolva os recursos de sonegação fiscal a #lei extingue a pena, já com roubo isso não acontece.

Publicidade

O professor de direito da USP, Maurício Dieter afirmou que o pobre sempre tem penas mais rigorosas devido não poder ter a sua disposição as melhores defesas, já os ricos gastam muito com advogados e buscam sempre recursos. Além disso, seus filhos estudam no mesmo colégio que os filhos dos juízes, afirma o professor.

Delação

Outra detalhe que ajuda os executivos da Odebrecht é fato deles colaborarem com a Justiça, através das delações premiadas. A pesquisadora Almeida defende uma mudança no Código Penal. Segundo ela, os crimes contra o patrimônio são supervalorizados, já os de "colarinho branco" estão em leis esparsas.