A Operação Lava Jato, com toda certeza, é motivo de orgulho para os brasileiros. Iniciada no ano de 2014, essa força-tarefa reuniu vários agentes da Polícia Federal, que Trabalhando em conjunto, realizaram mais de 100 prisões.

O grande foco da Operação Lava Jato, foi a investigação sobre propinas. Em suma, grandes empresas, sendo geralmente empreiteiras de obras, doavam propinas para políticos influentes, em troca de favorecimentos.

A Odebrecht por exemplo, foi a empresa mais investigada pela Operação Lava Jato. Inclusive, um acontecimento curioso envolvendo esta companhia, é o fato de que ela tinha um departamento próprio que gerenciava a distribuição de propinas.

Publicidade
Publicidade

Para mascarar as doações, a empresa usava métodos ilícitos afim de enviar o dinheiro para países considerados paraísos fiscais, como é o caso da Suíça por exemplo.

Hoje neste artigo, reunimos uma lista com os principais e mais influentes presos na Operação Lava Jato. Confira logo mais.

Presos na Operação Lava Jato

1) Eike Batista

A Polícia descobriu irregularidades nas empresas gerenciadas por Eike Batista. Na ocasião, ele se associou com o então governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, doando-lhe propinas paras as finalidades citadas anteriormente.

2) Sérgio Cabral

Sérgio Cabral, como dito no intem anterior, recebeu propinas de Eike, para favorecer as empresas do mesmo. A PF conseguiu chegar à Cabral e Eike, graças à delações premiadas. Segundo as investigações apuradas, o valor da doação à Cabral, foi de U$$ 18 milhões.

Publicidade

3) Luiz Argôlo

O ex-deputado Luiz Argôlo, foi preso no ano de 2015, acusado de peculato, formação de quadrilha, e organização criminosa.

4) Nestor Ceveró

Ceveró foi diretor da Petrobras, durante o período de 2003 a 2008. Segundo a PF, Nestor lavou 7,5 milhões, na aquisição de um apartamento, cuja origem era propina. Ceveró ainda é acusado de receber mais R$ 30 milhões, e até então, o juiz Sérgio Moro o condenou a 5 anos de prisão.

5) Renato Duque

Duque é um renomado engenheiro, e foi diretor de engenharia na Petrobras. Segundo as investigações, ele também recebeu propinas, e participou de fraudes e licitações quando estava em atividade. Ele ainda teria repassado parte do dinheiro para o Partido dos Trabalhadores. #Lava-Jato #Brasil #Política