Durou três horas o depoimento do ex-deputado #Eduardo Cunha (PMDB) ao juiz Sérgio Moro. O destaque foi a tentativa dele em se passar por doente grave. Cunha disse que sofre de aneurisma (dilatação anormal de uma artéria), o mesmo problema de saúde que vitimou a dona #Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Lula. Seus advogados com isso pretendem obter a liberdade provisória do político.

Cunha prestou depoimento no processo em que é acusado de ter recebido R$ 5 milhões, por conta da venda para a Petrobras de um campo de petróleo de Benin, na África. O processo faz parte da #Operação Lava Jato.

Foi a primeira vez que o ex-deputado depôs para o juiz Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Desde que foi preso, Cunha tem adotado o silêncio como estratégia defendida por seus advogados.

Aneurisma de Cunha

Até o depoimento de Cunha, nada se falava sobre o seu suposto aneurisma. O problema não foi divulgado nem mesmo para os seus advogados. O juiz Sérgio Moro recebeu o pedido de relaxamento da prisão do ex-parlamentar e vai analisar.

Um aneurisma cerebral apresenta alta taxa de mortalidade. A ex-primeira-dama, Marisa Letícia, tinha conhecimento do problema. Apesar das tentativas, os médicos que a trataram não evitaram sua morte.

Mas existem vários tipos de aneurisma, como o de rim, o de coração e o de abdômen. Quando a dilatação ocorre em uma artéria que irriga o cérebro, ela pode se romper e provocar uma hemorragia. Em outros casos, a artéria pode permanecer sem rompimento durante toda a vida.

Publicidade

É o que poderia ser atestado em Eduardo Cunha, caso ele concorde em ser examinado.

Medo de Cunha

Eduardo Cunha tentou sensibilizar o juiz Sérgio Moro alegando o viés político de sua prisão. Ele disse que os réus da Operação Lava Jato correm perigos nos presídios. Alegou também que, em caso de problema de saúde, as unidades prisionais não tem estrutura para prestar o atendimento adequado. Disse ainda que tem tratamento respeitoso na prisão, mas demonstra que teve medo quando ocorreu a rebelião num presídio vizinho: “A rebelião de Piraquara foi ouvida por nós”, disse.

Cunha aproveitou o depoimento para enviar condolências à família de Lula pelo falecimento de Marisa.