As investigações que a cada dia transformam o escândalo de distribuição de propinas e corrupção sistemática, em se tratando, do rombo bilionário que foi responsável pela "sangria" dos cofres públicos da Petrobras, atingiram um patamar exponencialmente elevado, o que acabou acarretando extrema preocupação para um grupo de delatores da Operação Lava-Jato. A força-tarefa é considerada a maior operação de combate à corrupção atualmente deflagrada, de que se têm notícia na história do Brasil e é conduzida pelo juiz Sérgio Moro, em primeira instância, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná. O juiz paranaense atingiu grande notoriedade e respeito junto à população brasileira, pelo combate implacável contra à corrupção e através de toda a agilidade demonstrada, o que destoa do Supremo Tribunal Federal (STF), geralmente, lento em comparação ao julgamento de processos da Lava-Jato que estão na primeira instância.

Publicidade
Publicidade

Um grupo de ex-executivos da empreiteira #Odebrecht e também da Braskem, terminou por confessar uma grande variedade de crimes cometidos nos Estados Unidos da América. Este mesmo grupo encontra-se em estado de "pânico". A justiça americana, em comparação à brasileira, demonstra muito mais agilidade e costuma ser muito mais "severa" do que no Brasil. Este é, provavelmente, motivo de grande preocupação para os empresários que são delatores. O que ocorre é que tanto a Odebrecht, quanto a Braskem, fizeram um mega acordo de colaboração com os Estados Unidos, em decorrência de terem violado as leis anticorrupção do país, porém, este mesmo acordo não protege os executivos como pessoas físicas.

'Alerta vermelho'

Os executivos temem serem presos se tiverem que deixar o Brasil para narrar as ilicitudes que fizeram em se tratando de processos que correm nos Estados Unidos.

Publicidade

Um dos principais passos a seguir, é implementar acordos de colaboração premiada junto à Justiça americana. Essa seria uma forma de que não tenham seus nomes no incluídos no alerta vermelho da Interpol. Procuradores americanos do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, já avisou um grupo de oito executivos que os mesmos deverão ser ouvidos em território brasileiro, provavelmente no próximo mês. Há uma grande possibilidade de que Marcelo Odebrecht seja convocado pela Justiça americana para dar esclarecimentos, se for comprovado pelas autoridades americanas de que a ordem para o cometimento de crimes nos #EUA partiu dele.

Odebrecht se defende

A defesa da construtora Odebrecht se defendeu em nota que "a empresa não se manifesta sobre eventuais tratativas de pessoas físicas com a Justiça. Entretanto, a mesma reafirma todo o seu compromisso de colaborar com as autoridades, através da implantação de melhores práticas de compliance baseadas em ética, integridade e transparência", afirmou a empresa. #Lava Jato