Um projeto de tecnologia que faz uso de inteligência artificial para fiscalizar contas públicas e lutar contra a #Corrupção listou os pedidos de reembolso mais absurdos feitos por deputados federais, nos anos de 2015 e 2016. A Operação Serenata de Amor criou a lista após um pedido feito pelo site da Revista Exame. As informações foram divulgadas no último dia 13 de fevereiro.

Os #deputados Hiran Gonçalves, do Partido Progressista de Roraima (PP-RR), e Vinicius Carvalho, do Partido Republicano Brasileiro (PRB-SP), pediram reembolso para alimentações. O problema é que eles pediram para serem ressarcidos de refeições feitas no Brasil, mas estavam em viagens oficiais no exterior, portanto, não foram eles que estiveram nos restaurantes.

Publicidade
Publicidade

Vale a pena destacar que o direito ao ressarcimento não pode ser usado por familiares, amigos ou até mesmo integrantes do gabinete do político. O reembolso serve apenas para o parlamentar.

Segundo informações do projeto, Hiran Gonçalves pediu o estorno de R$ 85,08 por uma refeição em um restaurante japonês em Brasília, em 16 de setembro de 2015. Nesta data, o deputado estava na Europa para participar de missões oficiais em Londres e Barcelona, na Inglaterra e Espanha, respectivamente. Já Vinicius Carvalho foi pego em situação semelhante. Em 8 de junho do ano passado, ele estava em Genebra, na Suíça, mas pediu um reembolso de R$ 55,09 por alimentação em uma lanchonete do Congresso Nacional.

Deputados pegos durante o discurso

Alguns deputados pediram ressarcimentos por refeições enquanto participavam de alguma sessão deliberativa ou mesmo quando estavam realizando algum discurso no plenário do Congresso Nacional.

Publicidade

Esses são os casos de Gonzaga Patriota, do Partido Socialista Brasileiro de Pernambuco (PSB-PE), que pediu reembolso duas vezes por almoços nos dias 15 e 16 de abril de 2016, em Petrolina (PE). As quantias pedidas eram de R$ 84 e R$ 89.

Outro que esqueceu que estava trabalhando foi Marcos Rogério, do Democratas, de Rondônia. Ele pediu para que fossem estornadas duas visitas a uma churrascaria em Ji-Paraná (RO) nos custos de R$ 53,99 e R$ 67,99. O curioso é que as duas refeições foram feitas no mesmo dia, em 23 de novembro do ano passado, e os pagamentos foram feitos com um intervalo de apenas um minuto.

Direito de reposta dos deputados

O chefe de gabinete de Vinicius de Carvalho disse que houve um engano e, por isso, que a nota fiscal estava inclusa nos requerimentos de ressarcimentos. Segundo ele, o dinheiro foi estornado à Câmara. Já Gonzaga Patriota afirmou que o que pode ter ocorrido é que seu motorista tenha pago contas pendentes naquele dia, referentes a refeições antigas feitas no estabelecimento. As equipes dos deputados Marcos Rogério e Hiran Gonçalves não se manifestaram até a hora da postagem das informações. #politicos