Os deputados do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (#PMDB), estão furiosos com o senador #Aécio Neves. O motivo, é bem simples: o comportamento "confuso" do senador. Até uns dias, Aécio deixou claro que apoiaria Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) para o cargo de ministro da Justiça, mas poucos dias depois "desistiu" de apoiar o peemedebista e escolheu outro nome.

O senador tucano decidiu apoiar, então, o nome de Carlos Velloso, que é ex-ministro no Supremo Tribunal Federal (STF). Quem se pronunciou sobre o comportamento instável de Aécio foi o presidente do PMDB de Minas Gerais, Antônio Andrade, que chegou a dizer para seus colegas e aliados que a parceria entre PMDB e PSDB não estaria dando mais certo e que isso prejudicaria as eleições de 2018.

Publicidade
Publicidade

O comportamento considerado "vira-casaca" de Aécio Neves ameaçou a "boa convivência" para as próximas eleições.

Novo ministro da Justiça

Carlos Velloso é um dos preferidos para assumir a vaga no ministério da Justiça, quem avaliou isso foi o próprio presidente Michel Temer. O porta voz do governo, Alexandre Parola, disse que Temer iria continuar conversando com um "antigo amigo e ex-ministro".

Na tarde desta última terça-feira (14), Temer teria uma audiência marcada na agenda oficial do governo com o Aécio, o senador aproveitou a reunião e levou também o ex-ministro Velloso. Um assessor de Temer disse que o ex-ministro e o presidente tiveram por alguns momentos uma conversa a sós.

No encontro entre dois foi destacado conversas urgentes sobre o andamento da pasta do ministério. Questionado por um jornal sobre se aceitaria a vaga, Carlos Velloso disse que teria que verificar ações que ele assumiu em escritório de advocacia e ver se ele conseguiria pegar casos de outros profissionais.

Publicidade

O ex-ministro não respondeu fielmente que assumiria a vaga, mas também não negou.

Uma fonte ligada ao presidente Temer, disse que não é possível esperar semanas para que seja feita a escolha do novo ministro que assumirá a vaga deixada por Alexandre de Moraes. #Política