Em palestra promovida pelo Credit Suisse na terça-feira (31), o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), comentou sobre seus planos e recentes atitudes para melhorar a capital paulista, incluindo as polêmicas ações de limpeza de pichações. "Lugar de pichador é na prisão", disse o prefeito, alertando aos pichadores que, ao menos nos quatro anos de seu mandato, não terão paz.

Ele ainda diferenciou grafiteiros e pichadores no seu discurso: "Grafite é arte, pichação é destruição", declarou #Doria. Ele disse ter avisado aos pichadores que ou mudam de ocupação, virando grafiteiros como Kobra e os Gêmeos, artistas muito conhecidos, ou que se mudem de cidade.

Publicidade
Publicidade

O tucano aproveitou a oportunidade para criticar o #Partido dos Trabalhadores, afirmando que o ato de abrir mão do seu salário deveria ser um exemplo. Ele disse também que o Brasil não é mais vermelho. "Nossa bandeira é de outra cor, verde e amarelo", disse o prefeito.

Devido a esta declaração, o prefeito foi amplamente aplaudido pelo público, que era formado por investidores e empresários. Dentro do Partido dos Trabalhadores, Doria elogiou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, por sua honestidade, e disse que apesar de ser difícil encontrar pessoas honestas entre os petistas, Haddad conseguiu ser um.

João Doria comentou o apoio à advogada Janaína Paschoal e ao jurista Miguel Reale Junior por ajudarem a tirar "aquele mal que havia no Palácio do Planalto", em referência à ex-presidente Dilma Rousseff, petista.

Publicidade

Ainda na mesma ocasião, o prefeito revelou já ter recebido ameaças contra o mesmo e sua família vindas de pichadores revoltados com seus recentes atos de limpeza na cidade, que vieram a pintar muros antes marcados com artes de diversos autores.

O prefeito garantiu que este tipo de ameaça serve como incentivo à sua luta contra a "ousadia" deles e que eles só têm a intenção de sujar a cidade, o que não deixará acontecer.

Foram comentadas também diversas ações que estão sendo tomadas atualmente para a cidade de São Paulo, como o Corujão da Saúde, tirado do papel por Doria poucos dias após a sua posse. Ele comemorou ter conseguido fazer com que pessoas pobres sejam atendidas em "hospital rico", em suas palavras, como o Sírio-Libanês.

Além disso, ele comemorou o apoio de mais de 50 empresas de construção civil e declarou que a empresa concessionária Fiar irá ajudar a recuperar 102 veículos da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) que, no momento, se encontram em péssimo estado.

Doria x Pichadores

A relação de Doria com os pichadores continua se complicando.

Publicidade

Nesta quarta-feira (1º), o prefeito declarou que pretende instalar 10 mil câmeras de vigilância na cidade de São Paulo e multar no valor de R$ 50 mil quem pichar patrimônio público e de R$ 5 mil para quem pichar muros de ambientes público e privado, com a chance do valor dobrar caso haja repetição.

Logo no primeiro mês, a Prefeitura já anunciou ter detido mais de 40 pichadores. "A cada ano vamos multiplicando, até chegar a 10 mil câmeras em áreas estratégicas da cidade, todas elas integradas ao Copom e ao sistema Detecta, que é administrado pela Polícia Militar", disse Doria.

Apesar de todo trabalho, ele vem sofrendo resistência de alguns grupos que consideram sua ação "opressora" e que até mesmo já o provocaram em pichações pela cidade com os escritos "Chupa Doria". O prefeito parece não ter se intimidado com as reações e segue seu plano de deixar a cidade de São Paulo mais limpa. #Dilma Rousseff