O deputado federal Eduardo #bolsonaro (PSC-RJ) - filho de Jair Bolsonaro - publicou nas suas redes sociais uma rápida entrevista que gerou polêmica. "Cubano conta como é a realidade em #Cuba", escreveu o deputado na legenda do vídeo.

Segundo ele, durante o shot show nos Estados Unidos, teve a oportunidade de conversar com um garçom cubano que residia em território norte-americano. "Em menos de 3 minutos, ele vai te surpreender", garantiu Bolsonaro. O vídeo de 2 minutos e 49 segundos teve mais de 7 mil curtidas e 3 mil compartilhamentos no Facebook, resultantes das mais de 121 mil visualizações da publicação.

No vídeo, o cubano Adrian explica, em inglês, que é ilegal manter mais do que US$ 2 mil (R$ 6.226) em cada em seu país.

Publicidade
Publicidade

Questionado novamente pelo deputado, Adrian reafirma que tal que se os militares encontrarem um valor superior, eles têm o poder para o dono da residência. Para burlar a lei, os cubanos costumam dividir as suas quantias de dinheiro entre familiares em bolos de US$ 300 (R$ 933,90) ou US$ 200 (R$ 622,60), de forma que nenhuma autoridade possa encontrar um valor maior do que os US$ 2 mil permitidos.

Bolsonaro questiona o cubano a respeito do estilo e qualidade de vida dos residentes de Cuba. O entrevistado afirma, então, que o problema é que os turistas, geralmente americanos, podem gastar uma grande quantidade de dinheiro no país, mas 90% do dinheiro arrecadado ficam com o governo de Cuba e não é revertido para o povo de qualquer forma. Impressionado, O deputado confirma o valor e o cubano exemplifica.

Publicidade

"Se você gastar US$ 100, US$ 90 vão para o governo".

Seguindo a entrevista, o garçom conta que, se tiver sorte, lá é possível comer carne uma ou duas vezes na semana. Se não, talvez não mais do que uma vez por mês. O deputado questiona se ao menos o país tem bons materiais e recebe a informação de que ainda usam-se carros antigos, da década de 1940 ou 1950, muitas vezes.

Seguindo a isso, o entrevistado afirma que tem um primo que é médico, trabalha 6 dias por semana e 12 horas por dia, que recebe um salário de US$ 32 ao mês (R$ 99,62), apesar de ser o terceiro melhor médico de câncer de próstata em todo o país. Em comparação, o homem diz que ganha quase o mesmo valor que o primo recebe em um mês em apenas uma hora de trabalho como garçom nos Estados Unidos.

"Ele é um cirurgião, ele salva vidas, e eu alimento as pessoas", diz ele, rindo da situação. O garçom afirma que o irmão do cirurgião tentou trazê-lo para os Estados Unidos, mas que ele se recursou alegando que deve a sua vida ao governo cubano porque eles lhe deram educação.

Publicidade

"O que eles fazem é lavagem cerebral", declara o Adrian. Ele comenta que, após a morte de Fidel Castro, ocorrida em novembro de 2016, "em Cuba, metade das pessoas estava chorando, a outra metade estava feliz".

"A não ser que você more lá por três meses, seis meses ou um ano, daí você passa a entender a vida em Cuba", afirmou Adrian. Bolsonaro, que já propôs um projeto da criminalização do comunismo, alega que, para aqueles que vivem fora do país, é difícil receber informações sobre a qualidade de vida dos cubanos. Em resposta, Adrian afirma que "ainda que você vá para Cuba por duas semanas ou um mês, você não sabe o que a outra metade de Cuba pensa, você não sabe como eles vivem."

Conclui, então, que só é possível saber como é a realidade cubana vivendo lá não como turista, mas como um cubano, por um longo período de tempo.

Assista ao vídeo abaixo:

#Socialismo