Nesta última quinta-feira (09), parlamentares do governo e da oposição criticaram o que caracterizaram ser um "vazamento" de informações. Em busca de defender o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), parlamentares acharam que o deputado está sendo julgado de forma precoce sobre as investigações que a #Polícia Federal apontou contra ele.

Maia é acusado de ter se beneficiado em um esquema com a empreiteira OAS e ganhado cerca de R$ 1 milhão em propina. Em troca do dinheiro ilícito, Maia teria ajudado atuando na Câmara de forma favorável para a empreiteira. O dinheiro entregue a Maia foi como se fosse uma "doação" da empresa, e teria sido destinado as campanhas eleitorais de seu pai, César Maia.

Publicidade
Publicidade

Com a Polícia Federal "em cima" de Maia, circula (novamente) um novo projeto de Lei que dá anistia a crime do caixa dois eleitoral. Ano passado, um repercussão muito negativa aconteceu quando um projeto de lei tramitou na Câmara com o mesmo objetivo, anistia ao caixa dois. Populares se manifestaram e a emenda que daria a anistia foi retirada do pacote de medidas Anticorrupção.

Além da proposta a anistia ao caixa dois voltar à tona, líderes buscam também atingir o setor Judiciário, instalando uma comissão para tratar sobre o supersalários. As medidas que em 2016 causaram grande comoção e especulação, poderão voltar a ser debatidas para que os parlamentares consigam seus objetivos, as investigações contra Rodrigo Maia teriam sido um alicerce para que o novo projeto de lei, igual ao de 2016, seja promovido.

Publicidade

O programa da Rede Globo, "Jornal Nacional" revelou o esquema contra Maia, ele agora é acusado de #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Em declaração, o presidente da Câmara diz ser "absurdas" as acusações contra ele, que dizem que ele recebeu vantagens ilícitas da OAS.

Ele também cita que a Polícia Federal "vazou" ilegalmente as investigações. Segundo a PF, a OAS teria tido seus interesses atendidos entre 2013 e 2014 e Maia serviu como uma "voz" da empreiteira. A PF avalia que as investigações apontam "atuação clara, constante e direita" de Rodrigo Maia. #RodrigoMaia