Do poder à prisão, o caminho do deputado cassado #Eduardo Cunha (PMDB) é cheio de revelações. O homem que presidiu a Câmara e articulou a queda da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) mostrou que está preocupado com sua saúde. Em depoimento nesta terça-feira, em Curitiba (7), ele declarou durante a leitura de uma carta ao juiz Sérgio Moro que sofre de um aneurisma cerebral do tipo que matou Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ex-primeira-dama.

Cunha alegou que o Complexo Penal de Pinhais, prisão onde está atualmente, não têm condições de atender o que é exigido para o seu tratamento. Ele chegou ao depoimento que teve duração de quase quatro horas carregando centenas de documentos e diversas anotações.

Publicidade
Publicidade

Desde que chegou à prisão, Cunha prefere discutir pessoalmente sua linha de defesa com seus advogados.

Réu na Operação Lava Jato, o ex-deputado foi preso no dia 19 de outubro de 2016. O Ministério Público Federal (MPF) o acusa de crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção. Quanto à lavagem de dinheiro, Cunha supostamente teria sido beneficiado com propina decorrente de um contrato com a Petrobras.

Eduardo Cunha diz que os verdadeiros culpados serão punidos

Nesse que foi seu primeiro interrogatório, o peemedebista, além de revelar sua doença, também aproveitou para enviar seus sentimentos de pêsames à família de Lula pela morte de Marisa Letícia. Em relação à preocupação com sua saúde, Cunha afirmou ao juiz Sérgio Moro que o presídio onde os presos da #Lava Jato ficam não tem nenhuma condição de prestar atendimentos caso alguém venha a passar mal.

Publicidade

Ele revelou que são muitas as noites em que presos chamam sem sucesso por atendimento médico, porque não são ouvidos pelos agentes do turno da noite, que segundo o ex-parlamentar, são poucos.

O ex-deputado mostrou firmeza em suas palavras, inclusive nas críticas a Sérgio Moro com relação à sua sentença. Ele afirmou que o fato de estar em uma prisão não o impede de emitir suas opiniões. Para Cunha, os verdadeiros culpados deverão ser punidos, mas o contraditório merece respeito, além do devido processo legal, para que o cumprimento de prisão não seja antecipado em forma de prisão cautelar ao arrepio da lei.

O ex-parlamentar ainda se queixou por estar dividindo a cela com presos violentos. Segundo ele, o local já registrou tentativa de fuga. Mesmo reclamando das condições, o peemedebista comentou que está sendo tratado com respeito na unidade penal. #Sergio Moro