O prefeito de São Paulo, João Doria, concedeu uma entrevista ao "Antagonista" e explicou como funciona as doações de empresas para a cidade de #São Paulo. O prefeito disse que são feitas reuniões com diretores das empresas para que eles possam ajudar a cidade. Não existe nada em troca dessas doações.

A jornalista perguntou para o prefeito se não corre o risco das empresas exigirem algo da prefeitura devido às doações feitas. Doria disse que trabalha com #Transparência e explica, em reuniões, o motivo de cada ajuda que é dado à cidade. De acordo com o prefeito, as instituições estão em São Paulo há mais de 20, 30, 40, 50 anos, e fazer uma doação seria uma forma de carinho pela cidade, uma forma de gratidão por tudo que eles conquistaram aqui.

Publicidade
Publicidade

"Foi em São Paulo que as empresas tiveram o seu principal mercado de consumo e elas devem isso para a cidade", disse o tucano.

Doações feitas

Doria deixou bem claro que o dinheiro dado pelas empresas não é para propina, comprar triplex, reformar sítio, mas sim, para viabilizar medicamentos, itens necessários de higiene, viabilizar veículos, cobertores, colchões, roupas de camas para as pessoas que estão em situação de rua e etc.

O prefeito já arrecadou mais de 80 milhões de reais em 40 dias de governo.

Toda a ajuda das empresas mostram o quanto elas são solidárias com o povo paulista. "É um gesto de reconhecimento por tudo que conseguiram na cidade e as pessoas olharão para essas empresas com mais carinho, pois se preocuparam com a vida dos cidadãos", ressaltou Doria.

Transparência

O tucano afirmou nunca ter recebido um "não" das instituições.

Publicidade

Segundo o prefeito, essa doação sempre existiu em outros países. "Nos Estados Unidos é muito comum o fato do governo receber ajuda. Aqui no Brasil isso ainda é pouco feito. Os gestos das instituições e das próprias pessoas são vistos sempre com grande entusiasmo em outros lugares do mundo".

João Doria alertou que isso tudo tem que ser feito sem nenhum tipo de corrupção para que nada fique a desejar. #João Dória