Álvaro Dias (PV-PR) recebeu grupos de direita em seu gabinete a cerca de uma semana. O encontro foi transmitido ao vivo em uma rede social pelo grupo Corrente do Bem Pelo Brasil.

O senador paranaense falou sobre a Proposta de Emenda à Constituição de sua autoria que acaba com o foro privilegiado, sobre a operação #Lava Jato e também sobre um novo modelo de indicação para ministros do Supremo Tribunal Federal.

Lava Jato e Foro Privilegiado

Para o senador Álvaro Dias existe uma tentativa de armação contra a Operação #Lava Jato. O senador disse que há uma posição rebelde de alguns políticos perante as investigações e usou como exemplo os presidentes da Câmara e Senado.

Publicidade
Publicidade

“Quando você vê funções importantes sendo ocupadas e se transformando em instrumentos, não para defender os interesses dos país, mas como autodefesa, ou como defesa de pessoas que estão sendo investigados... Você tem que concluir que há sim, uma tentativa de armação contra a operação Lava Jato”, disse o senador.

Porém, o parlamentar ressaltou que tal tentativa vem se frustrando e citou as decisões do #STF, que têm autorizado buscas e apreensões nos casos envolvendo senadores e outros políticos.

Álvaro Dias disse que o fim do foro privilegiado é fundamental para garantir a continuidade da Operação Lava Jato. Segundo o parlamentar, 68% das ações com foro privilegiado prescreve por falta de julgamento. “O foro privilegiado é o paraíso da impunidade e nós precisamos acabar com ele”, destacou.

Publicidade

Até agora nenhum politico envolvido com a Lava Jato foi condenado.

Referindo-se ao assunto, o senador ressaltou que não há razões para que se estabeleçam brasileiros de primeira e segunda categoria, pois o artigo 5º da constituição diz que todos somos iguais perante a lei.

Ele lembrou que a PEC 10/2013 que acaba com foro privilegiado é de sua autoria e pediu a sociedade que faça pressão para que a proposta seja colocada em votação pelo plenário do senado o mais rápido possível. ”Nós temos que votar. Há uma pressão interna contra a votação do projeto. Tem que haver essa pressão externa a favor do projeto”, disse.

STF

Álvaro Dias também falou sobre as indicações de ministros para o Supremo Tribunal Federal.

Segundo o senador, “O modelo é que é perverso e obviamente planta polêmica a cada indicação. Porque é inegável que a indicação é politica”.

Para Álvaro Dias o ideal seria que a sociedade participasse da escolha dos ministros. Num possível novo modelo de indicação defendido pelo parlamentar participariam OAB, CNJ e Ministério Publico, que indicariam uma lista tríplice a ser aprovada pelo Presidente.

Hoje existem no senado três propostas de mudança do atual sistema de indicação.