O futuro ministro do Supremo Tribunal Federal (#STF), Alexandre de Moraes, concedeu uma palestra a estudantes de uma faculdade em São Paulo, quando ele ocupou o cargo de ministro da Justiça no governo Michel Temer. No vídeo, gravado por um dos alunos, no ano passado, o futuro ministro responde a uma pergunta de um universitário, e chama o governo petista de ladrão e corrupto.

O estudante, ironicamente, começou seu questionamento com a frase "Fora Temer". Depois prosseguiu criticando a Polícia de São Paulo, que estava sob o comando do ministro, que na época, era Secretário de Segurança Pública. Ele criticou a atuação da Polícia nas manifestações estudantis, onde reiterou que a PM de São Paulo jogava bombas de efeito moral e atirava balas de borracha nos alunos.

Publicidade
Publicidade

"O que o senhor, como ministro da Justiça, faria em relação a isso? Prenderia os petistas, simpatizantes e baderneiros, que não aceitam esse governo golpista?", pergunta com ironia o universitário.

Resposta de Moraes

No vídeo abaixo, pode se ver a resposta dada por Moraes. Ele disse que o governo do #PT foi jogado pra fora do Brasil devido a grande corrupção que se instalou no partido. "Eles foram colocados para fora pela falta de vergonha na cara de roubar bilhões. Se ao invés de roubar todo esse dinheiro e de construir porto em Cuba, eles tivessem investido em segurança e presídios, as coisas hoje seriam bem melhores", ressaltou Moraes.

Veja o vídeo:

Caminhada ao STF

Alexandre de Moraes já mostrou que é alvo de grandes polêmicas. O PT e o PSOL já entraram com liminar para impedir que ele seja ministro da Corte.

Publicidade

Nos últimos dias, ele se reuniu com senadores para pedir apoio durante sua sabatina no Congresso. Caso o Senado aprove a nomeação de Moraes, ele entrará na Corte e assumirá o cargo de revisor dos processos da Operação Lava Jato. O ministro Edson Fachin é o relator do processo.

Procurado pela reportagem para comentar esse vídeo, Moraes preferiu não se manifestar.

A sabatina com o futuro ministro acontecerá no dia 22 de fevereiro na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania). #AlexandredeMoraes