Após a morte de Teori Zavascki, o presidente #Michel Temer se decidiu rapidamente pelo ministro que o substituiria, Alexandre de Moraes. Mas como indicar Moraes se ele não era do agrado da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, com quem o peemedebista tem grande afinidade. Nesse momento começou o grande "jogo político" de Temer. De acordo com seus aliados, o presidente pediu descrição a Moraes e deixou vazar informações de que queria um nome técnico para a cadeira de Teori. Ives Gandra Filho, presidente do Tribunal Superior do Trabalho, (TST) foi um dos citados.

A "tacada de mestre" ocorreu após Temer comentar com Cármen Lúcia sobre Ives.

Publicidade
Publicidade

Ela, tendo que se decidir por um dos dois preferiu Moraes, já que Ives era mais conservador, ou seja ela foi "forçada" a consentir a nomeação de Temer.

Alexandre de Moraes pode ter sido nomeado após consultas a cúpula do PMDB, que tem como líder Renan Calheiros. Os investigadores estão juntando os fatos para entender se a nomeação de Moraes é para tentar livrar o PMDB da #Lava Jato.

Incômodo

Incomodados com a atitude de Temer, os procuradores começam a interpretar um outro tipo de acontecimento. O ministro Gilmar Mendes, nesta semana, criticou as prisões da Lava Jato. Segundo Carlos Fernando Lima, procurador da força-tarefa, o PMDB e o ministro podem ter na mente anseios por livrar Eduardo Cunha da prisão. Lima rebateu Gilmar e avisou: "Prisões são necessárias".

Nomeação de Moreira

Para os procuradores, a nomeação de Moreira Franco para a Secretaria-Geral da Presidência, dando a ele foro privilegiado, não foi bem vista pela força-tarefa.

Publicidade

Moreira Franco foi citado na delação de Claudio Melo Filho, que o acusou de receber dinheiro em troca de defender interesses da empreiteira Odebrecht. Franco negou o fato.

Um projeto de lei que poderia reduzir o poder do TSE (Tribunal superior Eleitora) não conseguiu ser votado após repercussão negativa. Esse projeto poderia beneficiar a chapa Dilma-Temer. A resposta da Operação foi o nome de Rodrigo Maia aparecer em um relatório da Polícia Federal.

Uma pessoa com acesso às investigações disse que a Lava Jato está atenta com tudo isso e que diante de um problema virá uma reação. Ela declarou que guerra está aberta.