O ex-deputado peemedebista, #Eduardo Cunha, está sofrendo na prisão. Inquieto, Cunha teme pela sua vida dentro do Complexo Médico-Penal. O medo é de que uma #Rebelião chegue até o #Presídio de Pinhais, Paraná. Além dele próprio, Cunha também teme que outros presos pela operação Lava Jato corram risco, como o petista José Dirceu.

Após uma grande rebelião no Complexo Anísio Jobim (Compaj) no início do ano, facções criminosas como a Família do Norte (FDN) e o PCC (Primeiro Comando da Capital), entraram em guerra. Muitos mortos acabaram sendo decapitados e outros detentos conseguiram fugir da cadeia. As rebeliões se estenderam em outros estados e o medo de Cunha é que chegue até o presídio que cumpre pena por crimes de corrupção, no Paraná.

Publicidade
Publicidade

Outros políticos e empresários que foram presos pela operação Lava Jato também podem estar em clima de tensão. O empresário Eike Batista, por exemplo, chegou ontem na penitenciária Ary Franco e foi recebido pelos outros presos com gritos de "Vou te matar, desgraçado". A prisão de Eike foi decretada pelo juiz Marcelo Bretas na operação Eficiência, uma das fases de investigações da Operação Lava Jato. A prisão que está acomodando Eike recebe presos da facção criminosa do Rio de Janeiro, o Comando Vermelho (CV).

Mesmo preso, dá ordens

Uma investigações do Palácio do Planalto mostrou que mesmo Eduardo Cunha estando preso, ele estaria se envolvendo com as eleições para presidente da Câmara dos Deputados. O detento estaria contra a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a Câmara, utilizando interlocutores para passarem recados com o objetivo de tirar o "favoritismo" de Maia.

Publicidade

Cunha tenta sair da prisão, no próximo dia 8 de fevereiro, os recursos utilizados pela sua defesa serão analisados. A tentativa é anular a prisão preventiva que o juiz federal Sérgio Moro decretou. A defesa de Cunha alega que o falecido ministro Teori Zavascki teria arquivado um pedido contra ele, afirmando que Sérgio Moro não acatou uma ordem de Teori que teria arquivado o pedido na Procuradoria Geral da República.