No domingo (29), o site #Esquerda Diário publicou uma notícia envolvendo o deputado federal Flavio #bolsonaro e seu pai, o também deputado e pré-candidato à presidência da República em 2018, Jair Messias Bolsonaro, ambos do PSC do rio de Janeiro. A notícia declarava que Flavio estaria sendo financiado por empresas corruptas envolvidas com a Operação Lava Jato e disse, ainda, que Flavio estaria seguindo os passos do pai, pois Jair estaria envolvido nas mesmas acusações.

No dia seguinte (30), Flavio Bolsonaro publicou a manchete na sua página oficial do Facebook com o nome do jornalista responsável: Guilherme de Almeida Soares.

Publicidade
Publicidade

"Mais uma matéria mentirosa e criminosa para tentar nos atacar", dizia a publicação. "Não sei quem é mais inconsequente, se esse tal blog Esquerda Diário, que publica, ou se o ‘jornalista’ Guilherme de Almeida Soares, que assina a peça de ficção. O fato é que todos responderão criminal e civilmente."

A publicação, que teve mais de oito mil reações do Facebook, resultou na exclusão do artigo pelo site Esquerda Diário, mas a manchete ainda pode ser encontrada em pesquisas do Google. O veículo ainda está sujeito a processo por parte de Jair Bolsonaro e seu filho Flavio.

Bolsonaro já havia sido acusado anteriormente de receber propinas na falsa lista de Furnas que foi levada a público em 2009. Após perícia e profundas análises, foi concluído que a lista era falsa e feita pelo lobista Nilton Antônio Monteiro, que foi preso em 2011.

Publicidade

Segundo investigações, o intuito da lista era a extorsão de políticos citados, como José Serra e Aécio Neves, além do próprio Jair Bolsonaro. Apesar de desmentida, a falsa notícia sobre a lista de Furnas continua sendo disseminada pela oposição a fim de denegrir a imagem do pré-candidato à Presidência.

Até o momento, a família Bolsonaro tem se recusado a abrir processos contra os veículos que espalham fake news a respeito de Jair e seus filhos, porém Flavio reafirmou que o Esquerda Diário e o editor Guilherme de Almeida Soares irão responder pela autoria da notícia que carece de provas e fontes, uma vez que não foi notificada em qualquer outro lugar.

"Eles não cansam de passar vergonha e serão responsabilizados pela publicação criminosa", disse Flavio. Um apoiador respondeu: “Quanto mais vejo matérias deste tipo, mais tenho a convicção de que estou do lado certo. A mídia tenta jogar contra, mas esse joguinho está atraindo cada vez mais pessoas para o lado dos Bolsonaros. Graças a Deus que hoje em dia temos a internet." #Flávio Bolsonaro