O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foi entrevistado nesta quarta-feira (8) no programa CB Poder. Durante a conversa, o parlamentar falou sobre o processo de cassação de seu mandato que tramita no Conselho de Ética da Câmara. Jean é acusado de quebra de decoro parlamentar pela cusparada que deu no deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), na sessão em que era votado o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados em 2016.

Nos últimos dias, o parlamentar do PSOL tem recebido manifestações de defesa de seu mandato como, por exemplo, dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Dilma Rousseff e do ex-prefeito do Rio de Janeiro César Maia.

Publicidade
Publicidade

Dilma chegou a grava um vídeo para apoiar o deputado, que diz que está sendo perseguido por ser gay.

FHC disse sobre o caso: “Me oponho a que se procure cassar o mandato do deputado #Jean Wyllys, que não é de meu partido e que em seu blog faz críticas ocasionais a mim, que considero injustas”.

O relator do Conselho de Ética, o deputado Ricardo Izar (PP-SP), propôs a suspensão do mandato de Jean Wyllys por 120 dias. "Não há como admitir esse tipo de comportamento descortês e impolido por parte de congressista a quem foi outorgado o poder de representar parcela da sociedade perante o Poder Legislativo e de quem se espera a prática de atividades que viabilizem a concretização dos anseios da população, mediante discussão e aprovação de propostas legislativas", afirma Izar em seu relatório.

Jean Wyllys continua afirmando que está sendo injustiçado por conta de um vídeo fraudulento em que o mostra premeditando o cuspe.

Publicidade

O desequilíbrio do cuspe, segundo ele, é o acumulo de anos de difamações, assédio moral dentre outras coisas que durou por seis anos.

O deputado tem projetos polêmicos na Câmara, como a legalização do aborto e das drogas. Em seu site, ele disponibiliza todos os seus projetos que ainda esperam para serem aprovados, enquanto outros foram arquivados.

Jean é o representante das minorias ativistas LGBT, dentre outros grupos. A população é racista, homofóbica e machista, diz o deputado. Assista ao vídeo com entrevista de Jean Wyllys:

#Conselho de ética #Jair Bolsonaro