No último dia 31, terça-feira, o deputado federal #Jean Wyllys (PSOL-RJ) discursou durante o show do cantor João Fênix em defesa do seu mandato diante do pedido de cassação feito após o parlamentar cuspir em Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Durante seu discurso, Jean Wyllys comparou sua situação com a situação de #jesus Cristo.

"O apelo de Jesus, portanto, pode ser retomado por qualquer pessoa que trace um paralelo com o seu próprio calvário e o calvário de Jesus. Pode ser retomado por qualquer pessoa que defenda um mundo mais justo, que defenda o acesso igualitário para bens e segurança, que defenda a diversidade cultural, um mundo de mais amor, livre do racismo, do machismo, da homofobia e que por isso é vítima de censura, repressão e ameaça de morte.

Hoje, na situação em que o Brasil se encontra, em que uma camarilha de fariseus hipócritas tomaram o poder, e na situação específica em que eu me encontro, difamado e ameaçado de ter o mandato suspenso por ter reagido aos insultos de canalhas corruptos e homofóbicos, hoje eu quero repetir o apelo de Jesus.Diante da perseguição que sofria e do pressentimento de que o matariam, Jesus debruçou sobre si mesmo no chão e fez o seguinte apelo: ‘Pai, se possível, afasta de mim esse cálice".

A encenação foi criticada por muitos religiosos que se sentiram ofendidos.

Publicidade
Publicidade

O parlamentar marcou um ato para o dia 06/02, no Rio de Janeiro, reunindo atores, cantores, políticos e outras personalidades. O evento será realizado no Clube Municipal, no bairro da Tijuca, às 18h30.

Sobre o processo de cassação

Depois de ter cuspido em Jair Messias Bolsonaro, o PSC entrou com um pedido de cassação contra Jean Wyllys. O parlamentar se defende dizendo que apenas respondeu pelas inúmeras ofensas que estava recebendo no dia da votação do impeachment na Câmara. Como não havia qualquer prova de insulto, Jean Wyllys acrescentou que os insultos não eram apenas daquela data, mas sim dos últimos seis anos enquanto parlamentar.

Ricardo Iza, relator do processo, argumentou que Wyllys infringiu "deveres fundamentais" dos parlamentares ao cuspir em #Jair Bolsonaro. Para o relator, a ação do parlamentar prejudicou a imagem e a reputação do Congresso Nacional, já que a primeira fase de votação do impeachment de Dilma teve grande repercussão na mídia nacional e internacional.

Publicidade

Você pode assistir o vídeo abaixo

: