Com o recesso parlamentar prestes a acabar, o deputado federal Jean Wyllys, filiado do PSOL do Rio de Janeiro, apresentou um novo projeto de lei chamado "#escola livre", que vai contra ao "#Escola Sem Partido", criado pelo senador Magno Malta (PR-ES). Pelas palavras do deputado Jean Wyllys, esse projeto "pretende garantir a liberdade de pensamento e o acesso a todos os saberes respeitando a diversidade cultural do nosso país".

Segundo Jean Wyllys, o projeto "Escola sem Partido" é "um projeto que quer acabar com os tipos de escolas que sejam um espaço para todas as diversidades de pensamento".

O deputado federal fez um vídeo para explicar o seu novo projeto de lei.

Publicidade
Publicidade

O vídeo foi divulgado pelo PSOL e nele, além de Jean Wyllys apresentar seu projeto de lei e explicar mais sobre o tema, o deputado também criticou o projeto "Escola sem Partido", dizendo que "uma escola sem partido é uma escola antidemocrática, porque os partidos fazem parte da vida democrática".

O deputado disse que a escola não pode doutrinar, mas que não existe escola sem ideologia. Jean Wyllys diz ser a favor da "liberdade de pensamento" nas escolas e isso faz parte da proposta de seu novo projeto.

O projeto de lei "Escola Livre" vem para se opor ao "Escola sem partido", que defende uma escola sem ideologias politicas de qualquer caráter. Esse projeto é defendido por políticos conservadores brasileiros, como o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pois acredita-se que a escola brasileira está cada vez mais parcial e doutrinadora para o lado político e cultural da esquerda.

Publicidade

Como já é de costume, Jean Wyllys e #bolsonaro estão em lados opostos nessa batalha. O deputado Jean Wyllys afirma que o projeto da oposição é uma forma de censurar os professores e robotizar os alunos, os deixando sem senso crítico e sem pensar na sociedade como um todo, mas apenas executar conteúdos aprendidos na escola. Por isso, a criação de seu novo projeto foi uma resposta direta a proposta anterior, que a direita conservadora brasileira defende.