O ministro Edson Fachin, novo relator da Operação #Lava Jato, terá ao seu lado, como principal assessor, um juiz muito bem visto pela força-tarefa. Ricardo Rachid de Oliveira será o braço direito do novo relator e o ajudará nos processos da Operação na Corte. O objetivo principal do ministro Fachin é acelerar a Lava Jato e punir os corruptos.

Rachid foi o responsável, em 2015, por mandar prender o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. Na época ele era juiz federal do Paraná e tomou a decisão após o recesso do juiz Sérgio Moro. Somente dia 22 janeiro, Moro viria a decretar nova prisão do ex-diretor.

No documento de prisão de Nestor Cerveró, o juiz fez algumas observações em relação a preservar a imagem do ex-diretor.

Publicidade
Publicidade

De acordo com ele, Cerveró não precisava ser algemado pois não acarretava perigo e no documento ele pedia que a Polícia Federal (PF) evitasse a exposição pública do ex-diretor.

Passado alguns dias, Cerveró decidiu colaborar com a Justiça fazendo delações. Foi a partir daí, que o ex-senador Delcídio do Amaral foi preso acusado de tentar silenciar Cerveró e impedir que ele fizesse declarações na Lava Jato.

STF

Ricardo Rachid foi chamado por Fachin, em junho de 2015, para trabalhar no Supremo. Ele é especialista em Direito Penal. Tudo isso pode ser excelente para a Operação Lava Jato. Juntar o trabalho sério de Fachin, que inclusive recebeu vários elogios de Sérgio Moro por sua independência e eficiência nos trabalhos, com o juiz Rachid, poderá acelerar e punir mais rapidamente os corruptos investigados e denunciados na Operação.

Publicidade

Autores de representação

Sérgio Moro e Ricardo Rachid já foram autores de uma mesma representação contra o desembargador Dirceu de Almeida Soares do Tribunal Regional Federal da 4° Região (TRF4). O desembargador foi acusado de beneficiar alguns advogados, inclusive sua própria filha. Segundo informações, Dirceu telefonava para juízes federais, forçando-os a atender alguns defensores. Esse caso chegou a tramitar no Superior Tribunal de Justiça (STJ). #SérgioMoro #EdsonFachin