A Justiça panamenha determinou neste sábado (11/02) a prisão preventiva de três advogados brasileiros - Ramón Fonseca Mora, Junger Massack e Edilson Teano - por possível participação na operação #Lava Jato, esquema de combate à #Corrupção deflagrado no Brasil recentemente, além de determinar a prisão de uma advogada, ainda não localizada. Os capturados foram interrogados durante a madrugada. Após os depoimentos, a promotoria determinou a prisão de todos os envolvidos, a fim de evitar de que fujam do Panamá.

Os advogados dos acusados informaram que irão entrar com pedido de habeas corpus na segunda-feira, a fim de reverter a prisão.

Publicidade
Publicidade

Segundo eles, não há prova alguma que de fato tenha ocorrido lavagem de dinheiro. Além disso, foram realizadas buscas e apreensões em imóveis dos acusados, além da busca na casa de uma antiga empregada dos sócios.

Uma fonte oficial informou que durante a madrugada, os 3 detidos foram interrogados pela suposta lavagem de dinheiro público, oriundo da Lava Jato. Logo após os depoimentos, a promotoria determinou a prisão preventiva dos acusados, a fim de que não pudessem atrapalhar de alguma forma as investigações em andamento, garantido assim o bom andamento do processo.

Do escritório de Massok foram recolhidos diversos documentos que mostram dezenas de empresas criadas de fachada para lavagem de dinheiro no país. O Ministério Público acusou o escritório Massok & Fonseca de ser uma organização criminosa que fazia o papel de lavar dinheiro sujo oriundo dos desvios de verba pública ligados à operação Lava Jato.

Publicidade

A advogada dos acusados afirmou que existem filiais da empresa no Brasil e que elass não são de propriedade de seus clientes, mas sim de outra empresa panamenha. A advogada não quis revelar nomes para respeitar o "princípio da inocência". "Meus clientes são inocentes e tinham um contrato de representação com outras pessoas íntegras. São elas que vendiam as empresas, portanto são elas que tem obrigação de saber para quem estavam vendendo ou não", disse a advogada dos acusados. #2017