Na última sexta-feira (3), foi confirmada a morte da ex-primeira dama Marisa Letícia após sofrer um acidente vascular cerebral combinado com a interrupção do fluxo sanguíneo para o cérebro. O corpo de Marisa Letícia foi velado no último sábado (4), no Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo-SP.

Após o velório ser liberado para o público em geral, o ex-presidente #Lula aproveitou-se da ocasião para fazer um discurso perante os simpatizantes do PT. Durante seu discurso, Lula fez questão de explicar que dona Marisa Letícia teria morrido triste, pois as mentiras contadas a respeito dele e dos filhos teriam lhe deixado com a saúde emocional muito abalada.

Publicidade
Publicidade

"Eu estou com 71 anos, até o momento não tenho a certeza se Deus me levará a curto prazo ou não. Acredito que viverei por bastante tempo para provar a inocência de Marisa e fazer com que os responsáveis por estas falsas acusações contra ela um dia terão que pedir desculpas para ela", concluiu o ex-presidente.

Oportunismo de Lula.

Em sua página do Facebook, o pesquisador e escritor Augusto de Franco comentou sobre o comportamento de Lula durante o velório da ex-mulher. Em seu texto, Franco explica que os opositores de Lula erraram ao comemorar a morte da ex-primeira dama. Mas destaca que o ato mais negativo teria partido do próprio Lula.

‘’Acredito que não devemos comemorar a morte de ninguém. Quem optou em comemorar a morte de dona Marisa Letícia, para ver o Lula sofrer, acabou errando.

Publicidade

Mas o ex-presidente não deveria instrumentalizar a morte da esposa para propósitos políticos''.

Na opinião do pesquisador, Lula usou o velório da própria esposa para fazer um discurso político e atacar os responsáveis pela #Operação Lava Jato, acusando-os pela morte da ex-mulher. Para Franco, Lula apresentou transtornos mentais semelhantes aos de um psicopata, pois, segundo ele, só uma pessoa desse nível teria a coragem para usar a morte de um ente querido para tirar benefício próprio.

"Só faltou ele mandar colocar um palanque ao lado do caixão, com slogan usado na campanha eleitoral de 2006. O ex-presidente pretendia fazer com que as atenções do velório de dona Marisa Letícia ficassem voltadas para ele. Chamar os responsáveis pela Operação Lava Jato de facínoras. É uma atitude revoltante", concluiu o escritor. #Lula na cadeia